Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 3 de março de 2009

Buchinha

A Buchinha é uma trepadeira de caule penta-anguloso ou não, de gavinhas simples ou bífidas, compridas e vilosas. As folhas são longo pecioladas, cordiforme-reniformes, angulosas, um pouco ásperas, de cor verde-escura na página superior. As flores são amarelo-pálidas, campanuladas, pequenas, axilares, tendo as femininas pedúnculos de 2 centímetros de comprimento. O fruto é ovóide-oblongo, mole, pequeno, áspero, marrom quando seco, de interior esponjoso, com 10 costelas longitudinais e com espinhos no pericarpo. As sementes são compridas, lisas, com as margens regulares e sem alas.
É originária da América Tropical, cultivada principalmente no nordeste e norte do Brasil.

Nome Científico: Luffa operculata (L.) Cogn. Sinonímia: Cucumis sepium G. Mey; Luffa purgans Mart.; Cucumis anguria Rodschied; Luffa quinquefolia Seem.; Momordica operculata L.; Momordica purgans Mart.; Momordica quinquefolia Hook. er Arn.; Poppya operculata Roem.

Nome Popular: Buchinha, Cabacinha, Abobrinha do Norte, Bucha, Bucha dos Caçadores, Esfregão, Purga de João Pais, Purga Paulista, no Brasil; Esponjilla, na Colômbia.

Denominação Homeopática: LUFFA OPERCULATA.

Família Botânica: Cucurbitaceae.

Parte Utilizada: Fruto.

Princípios Ativos: Segundo M. Pio Corrêa os frutos da Buchinha encerram o princípio ativo buchinina, que é uma substância amarga cristalizável.

Indicações e Ações Farmacológicas: M. Pio Corrêa cita as seguintes aplicações: “ Depois de secos, tornam-se os frutos um poderoso drástico, purgativo, vomitivo e hidragogo, de largo emprego contra a hidropsia, clorose, amenorréia, ascites, afecções oftálmicas crônicas e moléstias herpéticas, mas cuja dosagem exige bastante cuidado, porquanto freqüentemente provocam dejeções fortíssimas e acompanhadas de náuseas e graves cólicas. A veterinária aproveita-os como purgativo para aves domésticas.”
Em Homeopatia, N. Cairo cita a referência Allgemeine Homopatische Zeitung 1963-208: página 641 e 642 e escreve:
“ O remédio foi experimentado da D4 à D15, com reações e agravações nas baixas dinamizações, em certos doentes sensíveis, principalmente sobre a forma de cefaléia intensa, dores supra-esternais, sensação de vibração cardíaca, hipersensibilidade à luz, sensação de tensão nos olhos e uma sensação especial de “bola”, no estômago e na cabeça.
De 90 doentes de sinusite frontal ou maxilar crônicas 80% melhoraram ou se curaram; nos casos agudos houve 50% de melhora.
Em 9 casos de doentes asmáticos, 4 melhoraram de maneira notável, tanto nos casos alérgicos como nos infecciosos.
A rinite alérgica é sensivelmente melhorada, bem como a laringite crônica.
Cabeça: Cefaléia que vai da fronte para o occipital, pressão surda na cabeça com imagens cintilantes defronte os olhos e vertigens.
Nariz: Mucosa nasal úmida, como se tivesse uma corrente de ar frio; ligeira secreção que é mais amarela pela manhã e clara e transparente durante o resto do dia.
Boca e laringe: Sensação de secura na garganta, língua seca, sensibilidade e pressão nas gengivas.”

Toxicidade/Contra-indicações: De espécies desse gênero, especificamente de Luffa acutangula Roxb., Luffa cylindrica (L.) Roem. e Luffa aegyptiaca Mill., foram obtidas glicoproteínas com as ações inibidora da síntese protéica, embriotóxica e abortiva, demonstradas em experimentos em animais (Ngai et al., 1992; 1992 a; 1993). A ingestão de chás preparados com os frutos provoca cólicas abdominais, diarréia intensa e vômitos (Schvartsman, 1992).
Atualmente os frutos secos estão sendo comercializados em farmácias com a indicação em “rinite e sinusite”, para administração através de inalação ou solução nasal em gotas, recomendação de uso que traz consigo um potencial aumento dos casos de intoxicações. Segundo depoimentos de alguns usuários, esta utilização é responsável por graves irritações e hemorragias nasais.

Dosagem e Modo de Usar:
• Homeopatia: 5.ª e 6.ª.

Referência Bibliográfica:
• CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.

• SIMÕES, C. M. O. Farmacognosia da Planta ao Medicamento. 1ª edição.
1999.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 1983.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Nenhum comentário: