Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

sexta-feira, 6 de março de 2009

Carapiá

Espécie registrada na Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil 1ª edição (1926), o Carapiá é constituído de rizoma que é em geral cilíndrico, irregular, tortuoso, mais dilatado na parte inferior. A superfície externa é de cor pardo-esverdeada e apresenta em quase toda a sua extensão numerosas brácteas folhosas, lanceoladas. A secção transversal apresenta uma cor esbranquiçada, com zona média descontínua amarelada e uma zona interna mais ou menos rósea. Apresenta cheiro aromático, semelhante ao do figo.

Nome Científico: Dorstenia multiformis Miquel Sinonímia: Dorstenia brasiliensis Lam.

Nome Popular: Carapiá, Contra-erva, Caapiá, Caiapiá, Liga-osso, Conta-de-cobra, Taporé e Carapá Tiu, em português; Contrayerba, em espanhol; Contraierva, na Itália; Contrayerve, na França; Widergift e Peruvianische Gilfwurzel, na Alemanha.

Família Botânica: Moraceae.

Parte Utilizada: Rizoma.

Princípios Ativos: Dorstenina; Ácido Dorstênico; Óleo Essencial; Sais; Matérias Gordurosas e Pépticas; Taninos; Glicosídeos Flavônicos; Cumarinas.

Indicações e Ações Farmacológicas: São atribuídas ao Carapiá as atividades: estimulante, tônico, diurético, emenagogo, e antifebril.
É usado na anemia, na atonia do aparelho digestivo, nas menstruações doloridas e tardias. A medicina popular usa massa do rizoma para apressar a solidificação dos ossos, em cataplasmas, além de ser considerado como um antídoto contra o veneno de cobras.
Um estudo realizado, avaliou que algumas espécies indicadas popularmente como antídoto contra veneno de cobras comprovou atividades analgésica e antiinflamatória (Ruppelt, BM; Pereira, EF; Gonçalves, LC; Pereira, NA, 1991).

Toxicidade/Contra-indicações: Não há referências nas literaturas consultadas.

Dosagem e Modo de Usar:
• Infusão ou Decocção a 5%: de 50 a 200 cc por dia;
• Pó: de 2 a 10 gramas por dia;
• Extrato Fluido: de 2 a 10 cc por dia (que inclusive é a formulação oficinal registrada na Pharmacopeia Brasileira 1ª edição).
• Tintura: de 10 a 50 cc por dia.

Referências Bibliográficas:
• COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. Cejup. 1994.

• ALBINO, R. Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.

• RUPPELT, BM; PEREIR, EF; GONÇALVES, LC; PEREIRA, NA;
Pharmacological screening of plants recommended by folk medicine as anti-
snake venom - I. Analgesic and anti-inflamatory activities, Mem. Inst. Oswaldo
Cruz, 1991; 86; Suppl.: 2:203-205.

2 comentários:

Sabbath disse...

Quero comprar carapia onde eu encontro

Arga'á disse...

http://www.chaecia.com.br/loja/produto-111058-1140-carapia_dorstenia_multiformis_miq_60_gr_m