Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

sexta-feira, 13 de março de 2009

Cipó Caboclo

Trata-se de uma trepadeira lenhosa de porte variável, apresentando caule áspero e tomentoso. Os ramos são revestidos de pêlos ásperos e as folhas são alternas, pecioladas, ovadas ou elípticas, agudas ou obtusas, inteiras ou serradas apenas na parte superior. As flores apresentam cor amarelo-pálida, pequenas, dispostas em racimos. O fruto é uma cápsula contendo uma a duas sementes.

Nome Científico: Davilla rugosa Poir. Sinonímia: Davilla brasiliana DC.; Hieronia scabra Vell.

Nome Popular: Cipó Caboclo, Capa Homem, Cipó Capa Homem, Cipó de Caboclo, Cipó de Carijó e Cipó Vermelho, no Brasil, Folha de Lixa, Muiraqueteca, Muirateteca, Muyraketyka, Sambaiba e Sambaibinha, no Brasil; Bejuco Castaño, em Cuba; Hoja Chigue, na Nicarágua.

Família Botânica: Dilleniaceae.

Parte Utilizada: Cipó e folha.

Princípios Ativos: São pouco conhecidos os componentes desta espécie. Foram identificados: Taninos; Substâncias de natureza glicosídica.

Indicações e Ações Farmacológicas: Popularmente, o Cipó Caboclo é reputado como um poderoso estimulante, depurativo e afrodisíaco. A raiz é tônica. Adstringente, purgativa e drástica. Os ramos são também purgativos e sobretudo diurético, indicado também para combater a icterícia. Já as folhas constituem medicamento para tratar orquites, epidimites, hemorróidas, varizes ou flebites.
Um trabalho realizado pelos pesquisadores da Santa Casa de São Paulo avaliou a ação antiúlcera extrato hidroalcoolico (HE) dos caules o qual foi fracionado com clorofórmio (CF), clorofórmio/acetato de etila (CAF), acetato de etila (AF) acetato de etila/etanol (AEF), etanol (EF) e etanol/água (EWF). O extrato hidroalcoolico (HE) e as frações do caule de D. rugosa Poir. foram investigadas por uma possível propriedade antiúlcera gástrica. Estes extratos foram avaliados em ratos, onde se induziu úlcera gástrica de forma aguda por dois modelos: HCl/etanol (400 mg/kg i.p.) e indução de stress (15 e 30 mg/kg de HE e 15 mg/kg em ambas as frações de etanol ou etanol/água, p.o.). A dose diária oral de HE de 800 mg/kg durante 30 dias consecutivos foi testada para se avaliar possíveis efeitos tóxicos. Não houveram alterações no peso corpóreo, no consumo de água ou alimento ou nos aspectos externos dos rins, baço, pulmões e fígado. A única diferença observada foi a diminuição do peso do fígado. Estes resultados sugerem que a D. rugosa Poir. HE apresenta atividade antiúlcera em ratos e que os componentes ativos estão em duas ou mais frações polares (Guaraldo, L.; Sertie, JA; Bacchi, EM, 2001).
Um outro trabalho também realizado nesta mesma instituição, avaliou os efeitos do extrato hidroalcoolico e frações de D. rugosa Poir. com relação aos efeitos da atividade motora espontânea e o comportamento de maior estupefação. O extrato hidroalcoolico dos caules (HE) foi fracionado com clorofórmio (CF), clorofórmio/acetato de etila (CAF), acetato de etila (AF), acetato de etila/etanol (AEF), etanol (EF) e etanol/água (EWF). Os ratos foram tratados oralmente com HE (7,5, 15, 30 e 60 mg/kg) ou frações (15 mg/kg). Assim, HE (15 mg/kg), AEF, EF e EWF aumentam a freqüência de locomoção e diminuem o tempo de imobilização; o contrário foi observado com 30 e 60 mg/kg de HE. Estas doses também aumentam a defecação. Nenhum efeito foi observado com 7,5 mg/kg de HE, CF, CAF ou AF, excetuando um aumento na indução da defecação induzida por AF. Com relação à elevação do comportamento de estupefação, o total de registros e números de registros avaliando-se a abertura e fechamento das patas dos ratos, o tempo gasto na abertura e a porcentagem foram maiores apenas com 15 mg/kg de HE. Estes resultados sugerem que a droga aumenta a atividade motora (efeito estimulante) e que os componentes ativos estão nas três frações mais polares. Um efeito anixolítico foi observado apenas com o HE (extrato hidroalcoolico) (Guaraldo, L.; Chagas, DA.; Konno, AC.; Korn, GP.; Pfiffer, T.; Nasello, AG., 2000).

Toxicidade/Contra-indicações: Não há referências nas literaturas consultadas.

Dosagem e Modo de Usar: Não há referências nas literaturas consultadas.

Referências Bibliográficas:
• CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.

• GUARALDO, L.; SERTIE, JA.; BACCHI, EM. Antiulcer action of the
hydoralcoholic extract and fractions of Davilla rugosa Poiret in the rat,
Journal of Ethnopharmacology, July, 2001.

• GUARALDO, L.; CHAGAS, DA.; KONNO, AC.; KORN, GP.; PFIFFER, T.;
NASELLO, AG. Hydroalcoholic extract and fractions of Davilla rugosa Poiret:
effects on spontaneous motor activity and elevated plus-maze behaviour, Journal
of Ethnopharmacology, 2000, September, 2000.

• OLIVEIRA, F.; AKISUE, G.; Fundamentos de Farmacobotânica, 2ª edição,
editora Atheneu, 1997.

4 comentários:

academia disse...

o cipo caboclo pode ficar com o caule mais grosso depois de ja velho??espero resposta,,

academia disse...

o cipo caboclo pode ficar mais grosso com o passar do tempo,,???espero resposta

Editora Visão Ministerial disse...

Ouve-se falar aqui em minha região que o Cipó Caboclo está sendo usado para desentopimento de veias com sucesso!

Editora Visão Ministerial disse...
Este comentário foi removido pelo autor.