Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 17 de março de 2009

Erva Baleera

Esta é um arbusto muito ramificado, apresentando folhas com margens dentadas, de cor verde-escura, ásperas e aromáticas. Suas flores são pequenas, reunidas em espigas laterais de coloração branca. O fruto é arredondado, pequeno e vermelho-escuro. É conhecida e utilizada pelos índios brasileiros há muitos séculos.

Nome Científico: Cordia verbenacea DC.

Nome Popular: Erva Baleera, Erva Baleeira, Erva Preta, Maria-milagrosa, Salicina e Catinga-de-barão, em português; Cordia, em inglês.

Família Botânica: Boraginaceae.

Parte Utilizada: Caule e folha.

Princípios Ativos: Flavonóides: artemetina; Óleo Essencial; Alantoína; Açúcares.

Indicações e Ações Farmacológicas: São atribuídas à Erva Baleera as propriedades anti-ulcerogênica, antiinflamatória, analgésica, tônica e no tratamento da artrite.
A artemetina (5-hidroxi-3,6,7,3’,4’ – pentoxiflavona) demonstrou marcante atividade antiinflamatória em vários modelos experimentais em ratos. A artemetina inibiu de forma significante edema induzido por carragenina induzido de patas nas doses orais de 30,4 a 153,9 mg/kg. As doses de 102,6 a 153,9 mg/kg mostraram um efeito similar ao proporcionado por 50,0 mg/kg de fenilbutazona cálcica. A administração repetida de artemetina na dose de 67,07 mg/kg em um período de 6 dias reduziu a formação de granuloma, sendo esta resposta comparável a 20,0 mg fenilbutazona cálcica. Esta mesma dose também reduziu a permeabilidade vascular à histamina intracutânea (Sertie, JA: Basile, AC; Panizza, S.; Matida, AK; Zelnik, R.).
O efeito antiinflamatório e gastrotoxicidade de um extrato liofilizado com 70% de etanol das folhas da Cordia verbenacea foram investigados em modelos experimentais em ratos e camundongos. A administração oral de 1,24 mg/kg do extrato inibiu se forma significante edema induzido por nistatina. A aplicação tópica do extrato na dose de 0,09 mg/orelha de camundongo foram claramente mais eficiente que 1,0 mg/orelha de naproxeno na redução do edema e orelha induzido por óleo de corton. Em doses de antiinflamatório, o extrato demonstrou um efeito importante sobre a mucosa gástrica e reduzindo o número de lesões gástricas (Sertie, JA; Basile, AC; Panizza, S.; Oshiro, TT; Azzolini, CP; Penna, SC).

Toxicidade/Contra-indicações: Experimentos de toxicologia sub-aguda indicaram toxicidade muito baixa (Sertie, JA: Basile, AC; Panizza, S.; Matida, AK; Zelnik, R.).


Dosagem e Modo de Usar: Não há referências nas literaturas consultadas.

Referências Bibliográficas:

• PANIZZA, S. Plantas que Curam (Cheiro de Mato). 7ª edição. 1997.

• Sertie, JA; Basile, AC; Panizza, S.; Oshiro, TT; Azzolini, CP; Penna, SC.
Pharmacological assay of Cordia verbenacea III: Oral and topical anti-
inflammatory activity and gastrotoxicity of a crude leaf extract. Departament of
Pharmacology, Universidade de São Paulo, Brazil.

• Sertie, JA: Basile, AC; Panizza, S.; Matida, AK; Zelnik, R. Anti-inflammatory
activity and sub-acute toxicity of artemetin. Departament of Pharmacology,
Universidade de São Paulo, Brazil.

Nenhum comentário: