Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 17 de março de 2009

Escamonea

A Escamonea é uma herbácea de caules anuais volúveis, vivaz pelas suas raízes principais tuberizadas, grandes e desenvolvidas. Desta espécie pode-se extrair três fármacos: a raiz da Escamonea, a gomo-resina chamada simplesmente de Escamonea e o extrato alcoólico da raiz conhecido pelo nome de resina de Escamonea. A Pharmacopeia dos Estados Unidos 1ª edição (1926) cita a “Tintura de Escammonia”, o “Pó de Escammonia”, a “Resina de Escammonia” e, além disso, é componente da “Tintura de Jalapa Composta”. Nesta mesma edição do código farmacêutico brasileiro a raiz da Escamonea é caracterizada pelo nome de Escammonia: A raiz da Escamonea apresenta-se geralmente em fragmentos cilíndricos, de 10 a 25 cm de comprimento e 1 a 4,5 cm de largura, freqüentemente privados de suas radículas e nitidamente torcidos sobre si mesmos.
Sua superfície externa é profundamente enrugada e de cor cinzento-pardacenta clara; sua fratura é fibrosa, irregular. Com a lupa, sobre sua secção transversal bem polida com um vidro, vê-se uma casca não muito espessa, estriada radialmente, dotada de numerosos pontos brilhantes e resinosos e nitidamente separada pelo câmbio e cilindro lenhoso, caracterizado por uma multidão de pequenos feixes irregulares, escuros, envolvidos por uma aureola mais pálida com pontos resinosos brilhantes e separados entre si por faixas de um tecido mais escuro, de espessura variável.
Esta raiz possui cheiro semelhante ao da jalapa e sabor fracamente amargo.

Nome Científico: Convolvulus scammonia L. Sinonímia: Convolvulus elongatus Salisb.; Convolvulus pseudo-scammonia C.Koch; Convolvulus syriacus Tourn.; Scammonia syriaca Bauh.

Nome Popular: Escamonea, Escamônia, Escammonia e Escammonéa, em português; Scammonienwinde, na Alemanha; Skammoneum, na Dinamarca; Escamonea e Escamonea Asiática, em espanhol; Scammonée, na França; Scammoneum e Syrische Winde, na Holanda; Scammony, em inglês; Scamonea, na Itália; Skammoneum, na Suécia.

Denominação Homeopática: SCAMMONIUM.

Família Botânica: Convolvulaceae.

Parte Utilizada: Raiz.

Princípios Ativos: Resina: formada em particular por escamonina, análoga à jalapina. Por hidrólise resulta em glicose, ramnose, rodeose e o ácido 12-hidroxipalmítico.

Indicações e Ações Farmacológicas: A Escamonea na Fitoterapia é indicada como purgativo drástico.
Em Homeopatia é um drástico catártico. Vômitos e diarréia. Fezes abundantes. Abdome distendido e doloroso.

Toxicidade/Contra-indicações: Não há referências nas literaturas consultadas.

Dosagem e Modo de Usar:
• Tintura de Escammonia e Tintura de Jalapa Composta como incluída na Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil 1ª edição;
• Costa (ver referências bibliográficas) recomenda doses de 0,1 a 1,0 grama, para a Escamonea e a gomo-resina;
• Homeopatia: 3.ªx.

Referências Bibliográficas:
• ALBINO, R. Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.

• COSTA, A. F. Farmacognosia. Lisboa. Fundação Gulbenkian Calouste
1994.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 21ª edição. Livraria Teixeira. 1983.

• COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. Cejup. 1994

Nenhum comentário: