Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

quarta-feira, 18 de março de 2009

Gelsemium

Trata-se de uma planta perene, sempre verde, o caule é delgado, acima de 6 metros de altura. As folhas são opostas, lanceoladas a oval-lanceoladas, verde-escura na página superior e mais pálida na página inferior. A flor é amarela e fortemente perfumada, cimeiras axilares ou terminais. A droga é constituída dos rizomas e das raízes de Gelsemium sempervirens (L.) Aiton.
Apesar de também ser conhecido por Jasmim Amarelo, o Gelsemium de modo algum pode ser relacionado com qualquer espécie de jasmim europeu por se tratar de uma espécie tóxica. Originária da América do Norte, o Gelsemium foi utilizado pelos primeiros colonizadores para tratar as nervralgias.

Nome Científico: Gelsemium sempervirens (L.) Aiton Sinonímia: Anonymos sempervirens Walt.; Bignonia sempervirens L.; Gelsemium lucidum Poir.; Gelsemium nitidum Michx.; Jeffersonia sempervirens Brickell.; Lisianthus sempervirens Mill. ex Steud.; Lisianthus volubilis Salisb.

Nome Popular: Gelsemium, Gelsêmio, Jasmim Amarelo, Jasmim da Carolina, Jasmim do Campo, em português; Gift Jasmin, na Alemanha; Falso Gelsemio, Gelsemio, Jazmín Amarillo, Jazmín de Carolina, Jazmín Silvestre e Madreselva, em espanhol; Jasmin de la Caroline, Jasmin de Virginie, Jasmin Jaune, Jasmin Jaune de Virginie e Jasmin Sauvage, na França; Bignonia, Carolina Jessamine, Carolina Yellow Jessamine, Field Jessamine, Wild Jessamine, Woodbine, Yellow Jessamine e Gelsemium, em inglês.

Denominação Homeopática: GELSEMIUM.

Família Botânica: Loganiaceae.

Parte Utilizada: Rizoma e Raiz.

Princípios Ativos: Alcalóides Indólicos: gelsemina, gelsemicina, gelsidina, gelsevirina e sempervirina; Hidroxicumarinas: escopoletina (ácido gelsêmico).

Indicações e Ações Farmacológicas: A droga é usada para o tratamento da neuralgia, dores de cabeça, desordens gástricas, sensação de plenitude e azia.
Foram descritos os seguintes efeitos da tintura e do extrato fluido de Gelsêmio: vasodilator; broncodilatador; diminuição do tônus do nervo vago, resultando diminuição da freqüência cardíaca; paralisia do sistema nervoso central, primeiramente da percepção motora e posteriormente sensorial; efeito semelhante ao proporcionado pelo curare com relação aos nervos voluntários; efeito semelhante ao proporcionado pela atropina no sistema nervoso; aumento da irritabilidade reflexa; inibição da absorção da dopamina, noradrenalina e serotonina em preparações sináptico-somáicas em cérebros de ratos e em cães.
Em Homeopatia é indicado na fraqueza e prostação muscular; sonolência; lassidão; torpor; embotamento; vertigem; tremores; febres intermitentes, especialmente originadas de infecções gastrintestinais; casos de influenza, de forma catarral; neurastenia; depressão; paralisia de vários grupos de músculos; dor de cabeça; histeria; inflamações intraoculares; dismenorréia, entre outras aplicações.
Um estudo realizado na China, avaliou o efeito inibitório frente às células HepG2 de carcinoma hepático proporcionado pelo extrato de alcalóide de Gelsemium, o qual foi estudado pelo método de coloração por cristais de violeta. As mudanças morfológicas das células HepG2 foram observadas por microscópio óptico. Os resultados demonstraram que as células HepG2 expostas ao extrato de alcalóides de Gelsemium de 10 microgramas/ml foram inibidas significativamente (P<0,05). O efeito inibitório apareceu de forma dose e tempo-dependente. As células HepoG2 demonstraram segmentação de cromossomos e condensação após o tratamento com o extrato. O mecanismo pode ser descrito por uma indução da apoptose (WANG, Y.; FANG, Y.; LIN, W.; CHENG, M.; JIANG, Y.; YIN, M.; 2001).

Com relação à interação com outras drogas são também reportadas, as quais seguem:
- Gelsemium, tubérculo de Aconitum delphinifolium (do inglês Monkshood) e suco de Sabugueiro (do inglês Elderberry): é indicado na dor neurálgica, particularmente dor de cabeça e sensibilidade a mudanças de tempo.

- Gelsemium, sulfato de atropina, prata coloidal, raiz de Angélica e Linhaça: desordens gástricas, irritações gástricas nervosas, sensação de plenitude, queimação, pressão na área do estômago, no tratamento de úlceras gástrica e duodenal e piloroespasmos em crianças.

- Gelsemium, Crataegus, Espirradeira (do inglês Oleander), Cytissus scoparius (L.) Link (Giesta, em português; Scotch Broom Herb, em inglês) planta inteira: agente circulatório.

- Gelsemium, cloridrato de papaverina, propilfenazona, nicotinato de inositol, tartarato de ergotamina: enxaqueca, dores de cabeça tipo enxaqueca, espasmos do trato intestinal, espasmos da área da vesícula biliar, desconfortos proporcionados pela menstruação.

- Gelsemium, Hipericum (Hypericum perforatum L.), ácido deidrocólico e uma mistura fenazona-ácido cítrico-cafeína: enxaqueca, dores de cabeça do tipo enxaqueca, espasmos da área da vesícula biliar e intestinal e desconfortos proporcionados pela mesntruação.

- Gelsemium, Hipérico (Hypericum perforatum L.), raiz de Valeriana (Valeriana officinalis L.), Potentilla anserina (do inglês Silverweed Herb) erva, folha de Alecrim (Rosmarinus officinalis L.), Lúpulo (Humulus lupulus L.), flores de Alfazema (Lavandula officinalis Chaix) e Melissa Officinalis (Melissa officinalis L.): enfermidades nervosas, nervosidade, neurastenia e depressão.

- Gelsemium, Cardo Mariano (Silybum marianum (L.) Gaertner), Kalmia latifolia ( do ingles Mountain Laurel), Cactus (Selenicereus grandiflorus (L.) Britt. et Rose), Noz Vômica (Strychnos nux vomica L), Heléboro (Veratrum album L) e Urginea scilla Steinh. (do inglês Squill e Cila, em português): remédio para o coração, agente circulatório.

Toxicidade/Contra-indicações: Já foram descritos alguns sintomas de intoxicação proporcionados pelo Gelsemium: vertigem, perda da fala, impossibilidade de movimentar a língua e a garganta, boca seca, paralisia da pálpebra, distúrbios visuais ou dupla visão, midríase, tremor dos membros, fraqueza ou rigidez dos músculos e relaxamento da musculatura do maxilar inferior.
É contra-indicado o uso quando existe a presença de insuficiência cardíaca.

Dosagem e Modo de Usar:
• Tintura: 0,3 g ou 18 gotas (dose única máxima: 1 g; dose diária máxima: 3 g);
• Extrato Fluido: 1-3 gotas, dose única.

Referências Bibliográficas:
• PDR for Herbal Medicines. 1st editon. Medical Economics. 1998.

• BLUMENTHAL, M.; The Complete German Commission E Monographs –
Therapeutic Guide to Herbal Medicines, American Botanical Council, 1998.

• POULIN, M; ROBBINS, C. A Farmácia Natural - Guia de Medicamentos
Naturais. 1ª edição. Livraria Civilização Editora. 1993.

• WANG, Y.; FANG, Y.; LIN, W.; CHENG, M.; JIANG, Y.; YIN, M. Inhibitory
Effect of Gelsemium Alkaloids Extract on Hepatic Carcinoma HepG2 cells in
vitro, Zhong Yao Cai, Aug, 2001.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 21ª edição. Livraria Teixeira. 1983.

Nenhum comentário: