Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Uva

Planta trepadeira com gavinhas, lenhosa e de porte arbustivo, a Uva é uma das espécies mais utilizadas desde as remotas civilizações que povoaram a Terra. Suas folhas são alternas, pecioladas, cordiformes, com cinco lóbulos sinuados dentados, glabro na parte superior e tomentosa, na parte inferior. As flores são pequenas e de cor branco-esverdeada, dispostas em rácimos. Os frutos são bagas reunidas em cachos, contendo cada uma duas ou três sementes, variando de cor de acordo com o tipo de Uva.

É oriunda da Ásia Menor (principalmente na região do Mar Cáspio), sendo introduzida na Europa em primeiro lugar e depois para todos os outros continentes. Apesar de existir mais de 8.000 tipos diferentes de uvas, as mesmas podem ser classificadas em duas subclasses: silvestre, que correspondem àquelas que crescem de forma espontânea e vinífera, que representam àquelas que se cultivam.

A cultura da Uva e a produção do seu mais saboroso produto, o vinho, são mencionados em hieróglifos egípcios que datam de 2.400 anos a.C. e em numerosas passagens da Bíblia Sagrada. Os primeiros a descreverem as propriedades medicinais do vinho vermelho, como tônico e adstringente, foram os gregos a 700 anos a.C.

Nome Científico: Vitis vinifera L. Sinonímia: Vitis sativa L.

Nome Popular: Uva, no Brasil; Grape e Grapevine, em inglês; Vid, Uva, em espanhol; Vite, na Itália; Weinstock, na Alemanha; Vigne Rouge e Vigne Cultiveé, na França.

Denominação Homeopática: VITIS VINIFERA.

Família Botânica: Vitaceae.

Parte Utilizada: Folha, fruto e semente.

Princípios Ativos: Dependendo da variedade de Uva os princípios ativos podem variar tanto qualitativamente quanto quantitativamente.

· Flavonóides: principalmente encontrados nas folhas e frutos. São eles: catequina, epicatequina, galocatequina, quercetina e seus glicosídeos quercitrina e isoquercitrina;

· Taninos Condensados, Procianidinas, Antocianidinas e Leucocianidinas: São todos derivados dos oligômeros ou polímeros da catequina e epicatequina. São abundantes nas sementes, podendo ser encontrados nas folhas e nas raízes;

· Ácidos Orgânicos: Em abundância encontramos os ácidos tartárico e málico, que representam 90% dos ácidos totais;

· Vitaminas: Traços de vitamina C, riboflavina, carotenóides, tiamina, piridoxina, ácido pantotênico, ácido fólico e niacina;

· Enzimas: invertase, pectina esterase, peroxidase,polifenol oxidase e ácido ascórbico oxidase;

· Carboidratos: entre 10 e 20% do peso fresco. Temos como os principais a glicose e frutose;

· Compostos Nitrogenados: aminoácidos, peptídeos e proteínas;

· Ácidos Voláteis: encontrados em diferentes partes da planta: ácido hidroxioleanóico, alfa e beta-amirina, taraxerol, taraxasterol, ácido ursólico, etc.

· Ácidos Graxos Insaturados: Presentes principalmente nas sementes, numa proporção de 15-20%.

Indicações e Ação Farmacológica: As diferentes partes utilizadas da Uva são indicadas para as seguintes afecções:

· Folhas: nas hemorróidas, flebites, edemas, fragilidade capilar, oligúria, diarréia, dismenorréia e metrorragias. Externamente nas varizes, blefarites e conjuntivites.

· Frutos: na convalescência.

· Sementes: das sementes se extrai um óleo, o qual é utilizado nas hiperlipemias, na prevenção da arterosclerose e no rejuvenescimento da pele.

As antocianidinas são compostos vasoativos com comprovadas ações antioxidantes e antielastase (Jonadet M. et al,1983; Meunier M. et al.,1989).

Foi demonstrada uma inibição da oxidação de lipoproteínas de baixa densidade (LDL), em um modelo experimental de hipercolesterolemia em coelhos, os quais receberam 50 mg/kg diários de antocianidinas por via oral, durante dez semanas, obtendo-se uma redução do colesterol aderido à capa de elastina da artéria aorta (Wegrowski J., 1984). Por outro lado, também promoveriam a elevação da lipoproteína de alta densidade (HDL), o chamado colesterol bom, diminuindo a agregação plaquetária (Siegneur M. et al., 1990) e tenderiam a efeitos anti-mutagênicos, em parte derivados de sua ação antioxidante (Wall M., 1992).

As antocianidinas inibem a enzima conversora de angiotensina I in vitro. A administração de antocianidinas em coelhos, por via intra-venosa de 5 mg/kg, promove efeitos redutores da pressão arterial, através da conversão de angiotensina I em II (Meunier M. et al., 1989). Doses de 200 mg/ml em coelhos, permitiram melhorar a contratilidade cardíaca em condições de isquemia, uma vez que impede o aparecimento de arritmias nestas condições (Maffei Facino R. et al.,1994).

As antocianidinas são particularmente indicadas para todo o tipo de transtorno de insuficiência circulatória. A ação vasoprotetora das antocianidinas se baseia na atuação nos glicosaminoglicanos, estabilizando-se assim as fibras de colágeno, criando pontes entre as cadeias polipeptídicas e reduzindo desta maneira a permeabilidade capilar. Esta atividade vasoprotetora foi ensaiada e comprovada por vários modelos experimentais, através de injeções intra-dérmicas de histamina e bradicinina (Barbier A.et all, 1988).

Na Dermatologia, as antocianidinas podem ser incluídas nos tratamentos cosmético-medicinais, indicados para nas peles envelhecidas pela ação dos agentes externos

deletérios: raios UV, radicais livres, fatores climáticos adversos, etc. Tem-se observado que as antocianidinas podem inibir vários grupos enzimáticos, tais como a elastase, colagenase, hialronidase e beta-glicoronidase (Masquelieur J., 1990).

Toxicidade/Contra-indicações: As antocianidinas foram testadas em diferentes provas de toxicidade aguda e crônica. A DL 50 foi calculada em ratos e cobaias, sendo de 4.000 mg/kg. A administração oral de 60 mg/kg diários de antocianidinas durante seis meses em ratos e dois meses em cães, não produziram efeitos tóxicos, teratogênicos ou mutagênicos (Bertelli A., 1982).

Dosagem e Modo de Usar:

· Uso Interno:

- Infusão das Folhas: Uma colher de sobremesa por xícara, infundindo por dez minutos. Tomar três xícaras ao dia, depois das refeições;

- Óleo das Sementes de Uva: Várias colheres de sopa ao dia;

- Frutos: Uso alimentar;

- Extrato Seco (5:1): 300 mg, uma a quatro vezes ao dia;

- Tintura (1:5): 50-100 gotas, uma a três vezes ao dia.

· Uso Externo:

- Infusão das Folhas: Uma colher de xícara de sobremesa por xícara, infundindo por 15 minutos. Aplicar sob a forma de colírios ou banhos oculares.

Referências Bibliográficas:

· ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Editora. Buenos

Aires 1998.

· PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª

edição. 1998.

· SCHAWENBERG, P.; PARIS, F. Guia de las Plantas Medicinales. Omega.

1980.

· PANIZZA, S. Plantas que Curam (Cheiro de Mato). 7ª edição. 1997.

· SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos

Livraria Editora. 2000.