Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

Pesquise e estude sobre centenas de ervas disponibilizadas neste blog, com riqueza em informações, pois você irá se surpreender com os detalhes.

Para encontrar a sua erva desejada, veja nas datas ao lado e boa leitura!!!

Gostou? Ajude o blog a se manter no ar!!!

terça-feira, 9 de junho de 2009

Imburana



Trata-se de uma árvore regular, medindo até 15 metros de altura e 50 centímetros de diâmetro. Apresenta casca grossa, suberosa, gordurosa, aromática, de cor vermelho-pardacenta e que se desprende em finas lâminas. As folhas são alternas, irregularmente pinadas, compostas por 11-15 folíolos alternos, peciolados, ovados, arredondados no ápice e na base e inteiros. Flores brancacentas ou branco-amareladas, aromáticas. O fruto é uma vagem achatada a qual contém uma ou duas sementes aladas, rugosas, ovóides, duras, de superfície lisa, externamente cinza-clara e rajada de preto.

Nome Científico: Amburana cearensis (Fr. All.) A. C. Smith Sinonímia: Torresea cearensis Fr. All.; Amburana Claudii Schw. et Taub.

Nome Popular: Imburana, Amburana, Cerejeira, Cumarú-do-Ceará, Cumaré, Cumarú-das-caatingas, Imburana-de-cheiro, Umburana, Amburana-de-cheiro, Cerejeira-rajada e Cumarú-de-cheiro, em português; Palo Trébol e Roble, na Argentina.

Família Botânica: Leguminosae-Papilionoideae.

Parte Utilizada: Casca e Semente.

Princípios Ativos: São pouco conhecidos, há a citação da presença de Óleo Volátil.

Indicações e Ações Farmacológicas: Popularmente a casca separada ou misturada com as sementes constitui um ótimo peitoral, usado contra resfriados, tosses, bronquites, asma e quaisquer afecções pulmonares. A semente serve mais para perfumar a roupa e produzir sabonetes.

Toxicidade/Contra-indicações: Não há referências nas literaturas consultadas.

Dosagem e Modo de Usar: Não há referências nas literaturas consultadas.


Referências Bibliográficas:

• CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.

• LORENZI, H. Árvores Brasileiras, vol.: 01, 3ª edição, Plantarum, 2000.
Postar um comentário