Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 3 de março de 2009

Benjoim

Segundo a Pharmacopéia dos Estados Unidos do Brasil 1ª Edição (1926), o Benjoim é uma resina balsâmica, a qual pode ser extraída das seguintes espécies: do Styrax tonkinense (Pierre) Craib, do Styrax siamense Rorodorf e do Styrax benzoides Craib e talvez de outras espécies de Styrax orientais. O Código Farmacêutico desta mesma edição o descreve da seguinte maneira: “O benjoim apresenta-se sob duas formas diferentes: em grossas lágrimas, globuloso-angulosas, de cor amarela pardacenta no exterior, luzidias e branco-leitosas no interior, livres ou aglutinadas (benjoim em lágrimas); ou então em massas de fratura granitóide, compostas de lágrimas de tamanho variável, freqüentemente pequenas e pouco numerosas, englobadas em uma substância resinosa de cor pardo-acinzentada ou avermelhada, quase sempre porosa (benjoim amidalóide). Seu cheiro é suave, aromático, semelhante ao da baunilha e seu sabor é a princípio adocicado, tornando-se depois levemente picante e acre.
Funde-se ao banho-maria, desprendendo cheiro agradável; aquecendo num tubo de ensaio, desprende vapores brancos, acres e irritantes, que provocam a tosse; durante o resfriamento as paredes do tubo recobrem-se de longas agulhas, que não polarizam fortemente a luz.
É quase inteiramente solúvel no álcool, no éter e no ácido acético. Seu soluto alcoólico dá com a água uma emulsão leitosa, de reação ácida ao papel de tornasol.
Aquecendo-se 1 g de benjoim com 10 cm3 de sulfureto de carboneo, a resina amolece; o líquido decantado é quase incolor e abandona, ao evaporar-se cristais incolores de ácido benzóico.
Trate cerca de 0,25 g de benjoim por 5 cm3 de éter, decante 1 cm3 do soluto etéreo numa cápsula de porcelana e junte-lhe com precaução 2 a 3 gotas de ácido sulfúrico: este colorir-se-á de vermelho-arroxeado escuro.”
O Styrax tonkinensis Craib., conhecido popularmente por Benjoeiro, é uma pequena árvore de folhas pecioladas e flores brancas, nativo das regiões tropicais do Laos e da Tailândia. Depois das estações de chuvas, praticam-se incisões na casca dos ramos, retirando um líquido gomoso, o Benjoim.

Nome Científico: Styrax tonkinensis (Pierre) Craib.

Nome Popular: Benjoim e Benjoim de Siam (resina) e Benjoim, Benjoeiro, Beijoim, Estírace, Estoraque e Estoraqueiro (planta), no Brasil; Bálsamo de Benjuí e Benjuí, em espanhol; Belzoino e Belzuino, na Itália; Benjoin, na França; Gum Benzoin e Benjamin, em inglês; Benzoe, em alemão.

Denominação Homeopática: BENZOES.

Família Botânica: Styracaceae.

Parte Utilizada: Resina.

Princípios Ativos: Ácidos Balsâmicos: cinâmico, benzóico e seus ésteres; Ácidos Triterpenóides derivados do ácido oleanóico: sia-resinólico e suma-resinólico; Vanilina; Benzoato de Coniferilo.

Indicações e Ações Farmacológicas: O benjoim é indicado na bronquite, no enfisema e na asma. Topicamente, é usado nas feridas, nas ulcerações, nas micoses, nas gengivites, nas parodontopatias, na acne, nos furúnculos, nos eczemas e na psoríase. É também utilizado como fixador de certos perfumes, como ingrediente na fabricação de chocolate e de sabão.

Toxicidade/Contra-indicações: Os vapores desprendidos pelo Benjoim podem desencadear acessos de tosse. A resina em pó pode provocar dermatite de contato, principalmente em pessoas que possuam a pele sensível.

Dosagem e Modo de Usar:
• Uso Interno:
- Resina: 250-500 mg/dose, duas ou três vezes ao dia (como expectorante e anti-séptico pulmonar);
- Extrato Fluido (1:1): 10 a 30 gotas, uma a três vezes ao dia;
- Tintura (1:10): 40-60 gotas, uma a três vezes ao dia.

• Uso Externo:
- Em pomadas, loções e linimentos.

Referências Bibliográficas:
• ALBINO, R. Pharmacopéia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.

• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª
edição. 1998.

• COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. 1994.

• SCHAWENBERG, P.; PARIS, F. Guia de las Plantas Medicinales. Omega.
980.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

2 comentários:

Sapientia et Ciência disse...

Parabéns, minha dúvida era filogênica (o que é benjoim ?), mas com as informações me levaram além...para o mundo da Botamica. Valeu.
marco antonio

Sapientia et Ciência disse...

ops! Botânica...