Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 10 de março de 2009

Cavalinha

A Cavalinha caracteriza-se por ser uma planta espontânea, medindo de 10 a 30 centímetros de altura, não possui flores, e, desta forma, também não possui sementes. Sua reprodução é feita através dos esporos contidos nos esporângios, situados na base de pequenos escudos agrupados numa espécie de espiga terminal. Uma outra característica marcante é a sucessão de dois tipos de caule na mesma planta, sendo um deles avermelhados e curtos, sem clorofila, brotam no início da Primavera, apresentam na extremidade a espiga produtora de esporos (estróbilo) e murcham quando terminada a sua função. O segundo tipo de caule são os denominados caules estéreis, considerados como a única parte medicinal da planta e caracterizados por serem ramificados, altos, verdes e divididos em segmentos separados por nós. São os seus rizomas que dão origem aos dois tipos de caule. As folhas são em forma de agulhas emendadas. É nativa da Europa.
São colhidos durante todo o verão os caules estéreis. Depois de cortados, secam rapidamente à sombra ou em estufas à temperatura de 40ºC.

Nome Científico: Equisetum sp.

Nome Popular: Cavalinha (aliás este nome é dado, indistintamente, a todas as espécies do gênero Equisetum a qual ela pertence, como: Equisetum arvense, Equisetum palustre, Equisetum ramosissimum e Equisetum pratense), Rabo-de-cavalo, Lixa-vegetal, Cana-de-jacaré, Cauda-de-raposa, Cola-de-cavalo, Erva-carnuda , Eqüiseto, Rabo-de-asno, Rabo-de-touro, Cavalinha-dos-campos, Pinheirinha, Milho-de-cobra, Rabo-de-rato, Rabo-de-cabra, no Brasil; Cola de Caballo e Equiseto Mayor, em língua espanhola; Equiseto, Coda di Cavallo e Setolone, na Itália; Prêle des Champs, Prêle e Queue-de-chat, na França; Common Horsetail e Horsetail, em inglês; Ackerschchtelhalm, na Alemanha.

Este trabalho foi baseado na espécie Equisetum arvense L.:

Denominação Homeopática: EQUISETUM ARVENSE.

Família Botânica: Equisetaceae.

Parte Utilizada: Caule estéril.

Princípios Ativos: Sais minerais: silício (em abundância), potássio, magnésio, alumínio, cálcio, flúor, fósforo e sódio; Saponinas: equisetonina; Taninos; Flavonóides: isoquercetina, equisetrina, canferol e galutenonina; traços de Alcalóides: nicotina, palustrina e espermidina; Vitamina C; Ácidos Cafêico e Aconítico; Manitol e Inositol; Fitosteróis: -sitosterol, campestrol e fucosterol; Ácidos Graxos: linolêico, linólico e oléico; Ácido Gálico.

Indicações e Ações Farmacológicas: A Cavalinha é indicada na astenia; convalescença; anemia; consolidação de fraturas; reumatismo; osteoporose; prevenção da arterosclerose; como diurético, sendo então utilizada nas afecções genitourinárias (cistite, ureterite, uretrite e urolitíase), gota, hipertensão arterial, edemas e sobrepeso acompanhado de retenção de líquidos. Topicamente pode ser aplicada sobre as feridas e ulcerações dérmicas, orais ou da córnea, bem como nas blefarites, conjuntivites, faringites, dermatites, eritemas e pruridos, além de ser um dos ativos em tratamentos de celulites.
A abundância de sais de silício confere propriedades remineralizantes e contribui na manutenção do tecido conjuntivo, estimulando a biossíntese das fibras de colágeno e de elastina, pelos fibroblastos, aumentando desta forma a elasticidade dos tecidos Isso explica o seu uso em afecções ósseas como a osteoporose e consolidação de fraturas, além de processos reumáticos.
O silício promove numerosas funções no organismo humano, dentre elas pode-se mencionar o efeito benéfico sobre a síntese do colágeno e seu papel na consistência e dureza das estruturas ósseas, tendões, unhas, pêlos, cartilagens, etc. Mantém também as paredes elásticas das artérias exercendo uma comprovada ação antiateromatosa contra a deposição lipídica, sobretudo na artéria aorta, diminuindo os níveis de LDL colesterol (Loeper J. et al., 1979). Portanto a Cavalinha regulariza a elasticidade e a resistência dos vasos sangüíneos.
Pela abundância de taninos, possui propriedade adstringente (antidiarréico, hemostático, promovendo vasoconstrição local e cicatrizante). As saponinas atuam como coadjuvante no tratamento da acne.
Deve-se recordar que o silício contribui para a formação dos glicosaminoglicanos, elementos vitais para o metabolismo e desenvolvimento dos ossos e cartilagens. Por outro lado, os sais de potássio abundantes somados a ação da equisetonina, flavonóides e o ácido gálico proporcionam um sinergismo como diurético suave, sendo assim utilizado em tratamentos de hipertensão arterial e terapias de emagrecimento coadjuvantes (Bakke F. et al.,1980).
Experimentalmente tem-se comprovado que a Cavalinha proporciona um efeito que retarda o crescimento de células neoplásicas e sobre a difusão de metástases (Peris J. et al., 1995).

Toxicidade/Contra-indicações: Os primeiros estudos sobre a toxicidade da Cavalinha foram realizados em animais como cavalos e outras espécies domésticas, observando-se em princípio falta de coordenação motora, perda de peso, pulso lento, hipotermia e ocasionalmente diarréia. Estes efeitos foram observados quando a Cavalinha era consumida em altas quantidades e especialmente por animais jovens (Rapp W., 1954).
A Cavalinha apresenta os seguintes princípios tóxicos: tiaminase (destrói a vitamina B1), alcalóides (palustrina) saponinas (equisetonina) e ácido aconitínico. Recomenda-se a admnistração de tratamentos curtos. O uso como diurético na presença de hipertensão ou cardiopatias deve ser somente feito sob cuidados médicos.

Dosagem e Modo de Usar:
• Uso Interno:
- Infusão: 10-30 g/l, três ou mais xícaras ao dia;
- Decocção:
a) Planta Fresca: 30 a 50 g/l, ferver durante 30 minutos;
b) Planta Seca: 10-20 g/l. Tomar 200 ml/dia para adultos e 10 a 30 ml/dia para crianças;
- Extrato Seco (5:1): 400 a 1000 mg/dia, em três doses;
- Extrato Fluido (1:1): 50 a 100 gotas, três vezes ao dia como diurético e 5 a 20g/dia como hemostático (1g = 52 gotas de extrato);
- Tintura (1:10): 20 a 50 gotas por dia;
- Pó: 0,5-1 g, duas vezes ao dia , em cápsulas.

• Uso Externo:
- Extrato Glicólico: aplicado em loções, shampoos, cremes anti-celulite e anti-estrias, antiperspirantes e cremes e loções adstringentes: 4 a 6%;
- Extrato Fluido: 50 gotas diluídas em água, como cicatrizante.

Referências Bibliográficas:
• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª
edição. 1998.

• SCHAWENBERG, P.; PARIS, F. Guia de las Plantas Medicinales. Omega.
1980.

• Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Reader’s Digest do Brasil. 1ª edição.
1999.

• TESKE, M.; TRENTINI, A. M. Herbarium Compêndio de Fitoterapia.Herbarium.
Curitiba. 1994.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Ediciones. Buenos
Aires. 1998 (obra que cita as referências mostradas nos itens Indicações e Ações
Farmacológicas/ Toxicidade e Contra-indicações).

Um comentário:

Sueli disse...

Excelente informação! Parabéns pela postagem!