Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

sexta-feira, 13 de março de 2009

Cipó Cabeludo

O Cipó Cabeludo é um subarbusto da flora brasileira, provida de caule bastante ramificado, onde os ramos emergem do ramo principal em ângulo reto. O caule é cilíndrico lenhoso, coberto de pêlos e com uma cor castanha nas suas partes mais jovens. Longitudinalmente é estriado e provido de uma fratura fibrosa. As folhas são opostas, pecioladas, ovais-acuminadas, denticuladas, sub-coriáceas, de cor verde-escura na face superior e mais clara na inferior, sendo ambas as faces pubescentes, principalmente a inferior, que é densamente coberta de pêlos esbranquiçados ou pardacentos. Irradiam do vértice do pecíolo sete nervuras primárias, das quais partem nervuras secundárias.

Nome Científico: Mikania hirsutissima DC. Sinonímia: Mikania sepiaria Gardn.; Mikania martiana Gardn; Mikania ursina Martins; Eupatorium hirtum Less; Willugbaeya hersutissima Necker.

Nome Popular: Cipó Cabeludo, Guaco-cabeludo, Guaco-de-cabelos, Cipó-almecega, Cipó-almecega-cabeludo, Erva-dutra, Cipó-caatinga e Cipó-de-cerca, em português.

Família Botânica: Asteraceae (Compositae).

Parte Utilizada: Partes aéreas.

Princípios Ativos: Óleo Essencial; Taninos Catéquicos; traços de Saponinas; dois princípios resinóides; Sais (de alumínio, cálcio, ferro, manganês, sódio, potássio, entre outros).

Um estudo realizado no Japão detectou dois sesquiterpenos do tipo norhumuleno, chamados mikaniahumuleno I e II, os quais foram isolados juntamente com nove compostos conhecidos, sete diterpenos do tipo ácido kaurênico, uma cumarina e uma flavona das partes aéreas da Mikania hirssutissima DC (Ohkoshi, E.; Makino, M.; Fujimoto, Y., 1999).

Indicações e Ações Farmacológicas: Popularmente o Cipó Cabeludo é utilizado nas doenças das vias urinárias e nas litíases vesicais, além nas afecções reumáticas.
Um estudo feito em nosso país avaliou a atividade contra moluscos de 159 extratos de 84 plantas brasileira sobre Biomphalaria glabrata, o hospedeiro intermediário mais importante do Schistosoma mansoni no Brasil. Setenta e oito extratos (49%) mostraram atividade contra o caramujo e ovos. Extratos de duas espécies Mikania hirsutissima e Qualea multiflora demonstraram ser letais em caramujos adultos a uma concentração 10 ppm (de Souza, CP; de Azevedo, ML.; Lopes, JL; Sarti, SJ.; dos Santos Filho D.; Vichnewski, W.; Nasi, AM.; Leitão Filho, HF., 1984).
As atividades citotóxicas dos compostos isolados (mikaniahumuleno I e II, sete diterpenos do tipo ácido kaurênico, uma cumarina e uma flavona) contra células leucêmicas (L 1210) foram investigadas. Alguns destes compostos demonstraram citotxicidade relativamente forte (Ohkoshi, E.; Makino, M. Fujimoto, Y., 1999).

Toxicidade/Contra-indicações: Não há referências nas literaturas consultadas.

Dosagem e Modo de Usar: A Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil 1ª edição (1926) cita como emprego oficinal Espécies Diuréticas e Extrato Fluido de Cipó Cabeludo.
Coimbra (ver referência bibliográfica) cita as seguintes preparações e dosagens:
• Infuso ou Decocto a 5%: de 50 a 400 cc por dia;
• Extrato Fluido: de 5 a 20 cc por dia.

Referências Bibliográficas:
• ALBINO, R. Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.

• CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.

• COSTA, A. F. Farmacognosia. Lisboa. Fundação Gulbenkian Calouste
1994.

• COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. Cejup. 1994.

• DE SOUZA, CP; DE AZEVEDO, ML; LOPES, JL; SARTI, SJ; DOS SANTOS
FILHO D.; VICHNEWSKI, W.; NASI, AM.; LEITAO FILHO, HF.
Chemoprphylaxis of schistosomiasis: molluscacidal activity of natural
products—assays with snails and oviposition. Acad. Bras, Cienc. Sep. 1984.

• OHKOSHI, E.; MAKINO, M.; FUJIMOTO, Y. Studies on the constituintes of
Mikania hirsutissima (Compositae). College of Pharmacy, Nihon University,
Chiba, Japan. 1999.

Nenhum comentário: