Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 17 de março de 2009

Dente de Leão

Apesar da Medicina o desprezar, o Dente de Leão continua a curar oficiosamente os doentes. Sua importância e prestígio aumentaram bastante a partir do século vinte, de modo que em todas as terapêuticas em que era utilizado passaram a chamar-se Taraxacoterapias, denominação proveniente do seu outro nome popular muito utilizado: Taraxaco.
É uma planta que cresce em toda a parte, durante quase todo o ano, perene, fechando-se durante a noite e abrindo-se ao alvorecer. De porte herbáceo, mede de 5 a 50 cm de altura; possui folhas em roseta basilar densa, glabras, compridas, diversamente roncinadas (com os segmentos laterais virados para a base); flores de um amarelo intenso, liguladas, formando um grande capítulo num comprido pedúnculo radical, liso, oco; fruto do tipo aquênio cinzento-azulado, oblongo-fusiforme, um pouco espinhoso na extremidade superior; rizoma espesso; grossa raiz aprumada, castanho-escura e esbranquiçada no corte. Possui espécies de variedades gigante e anã. De origem européia, hoje é aclimatada em todo o mundo.

Nome Científico: Taraxacum officinale Weber. Sinonímia: Leontodon taraxacum L; Taraxacum densleonis Desf.

Nome Popular: Dente de Leão, Taraxaco, Alface de Cão, Dente de Leão dos Jardins, Salada de Toupeira, Alface de Coco, Coroa de Monge, Frango, Quartilho, Amor dos Homens, Chicória Louca, no Brasil; Diente de León, Achicoria Amarga, Taraxacón, Amargón, em língua espanhola; Diente di Leone, Tarassaco, em italiano; Pissenlit, Dent-de-lion, em francês; Dandelion, em inglês; Löwenzahn, Kuhblume, em alemão.

Denominação Homeopática: TARAXACUM.

Família Botânica: Asteraceae (Compositae).

Parte Utilizada: As partes aéreas da planta (talo, folha e flor) e raiz.

Princípios Ativos: Inulina (2% nas raízes); Resinas; Derivados Terpênicos: -sitosterol e estigmasterol; Flavonóides; Vitaminas A, B1, C, PP e D; Princípio Amargo: taraxacina; Ácidos: cafêico, cítrico, feniloacético, p-hidroxibenzóico; Glicosídeo: taraxacosídeo; Potássio.

Indicações e Ações Farmacológicas: É indicado para pessoas predispostas ou que possuam cálculo biliar, coleocistite, inapetência, oligúria, problemas hepáticos, cirrose e desordens hepatobiliares. É uma das ervas mais seguras como diurética, utilizada em tratamentos de afecções genitourinárias: cistites, uretrites e também na hipertensão arterial. É coadjuvante no tratamento da obesidade, problemas dermatológicos, dispepsia, hipoacidez gástrica e desordens reumáticas.
A presença de potássio e flavonóides asseguram a ação diurética do Dente de Leão, sendo o potássio responsável por um melhor controle dos níveis de espoliação pela via urinária e os flavonóides pelo aumento da diurese. A inulina presente reforça os efeitos
diuréticos e colerético da erva. Os terpenos em sinergismo com as lactonas são responsáveis pela ação colagoga, favorecendo a eliminação pela via biliar de numerosos catabólitos. Possui moderada ação antiinflamatória, sendo útil em desordens reumáticas. O princípio amargo, taraxacina, é o responsável pela estimulação da digestão e da secreção gástrica. Por sua ação depurativa, utiliza-se esta erva em tratamentos de afecções cutâneas como acne, eczemas, herpes, psoríase, etc. Em problemas hepatobiliares pode ser associada a Bérberis (Berberis vulgaris), também chamado de Agracejo em espanhol, e para retenção de líquidos com Milefólio (Achillea millefolium).

Toxicidade/Contra-indicações: O uso de diuréticos em indivíduos hipertensos deve ser somente feito sob orientação médica, pois há a probabilidade de aparecimento de uma descompensação tensional e a potencialização do efeito de cardiotônicos.
A presença de substâncias amargas pode causar moléstias gástricas e hiperacidez. Para evitar este acontecimento, recomenda-se a associação com drogas mucilaginosas como a Altéia (Althea officinalis).
É uma erva de baixa toxicidade, com DL50 em camundongos de 59g/Kg. Nos testes de toxicidade, apenas discretos efeito colateral foi evidenciado, incluindo pirose e diarréia. A erva deve ser usada com cuidado em pacientes com história de hérnia de hiato e esofagite.

Dosagem e Modo de Usar:
• Uso Interno:
- Decocção (raízes e folhas): uma colher de sopa por vez, três vezes ao dia, antes das refeições.
- Infusão: 10g de folhas por litro de água. Tomar três xícaras de chá por dia, preferencialmente sem adoçante.
- Extrato Fluido (1:1): 40 a 60 gotas, três ou quatro vezes ao dia.
- Tintura (1:10): 50-100 gotas, uma a três vezes ao dia.
- Extrato Seco (5:1): 0,5 a 2 gramas ao dia (1grama equivale a cinco gramas da planta seca).
- Crianças: metade da dose para adultos.

Referências Bibliográficas:

• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª
edição. 1998.

• TESKE, M.; TRENTINI, A. M. Herbarium Compêndio de Fitoterapia.
Herbarium. Curitiba. 1994.

• Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Reader’s Digest do Brasil. 1ª edição.
1999.

• CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Nenhum comentário: