Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 17 de março de 2009

Drosera

A Drosera é uma planta carnívora que digere, segundo se acredita, cerca de 2000 insetos num só verão. Mede entre 10 e 20 centímetros de altura, é vivaz, com caule avermelhado, frágil, glabro e ereto. As folhas são pecioladas apresentando a forma de roseta basal, são pedunculadas, cobertas de pêlos glandulares vermelhos com papilas globosas nas extremidades, as quais podem se recurvar para a porção central assim que ocorre a captura do inseto, e, digerindo-o por meio da secreção de um líquido ácido rico em diastases. As flores são brancas e pequenas, reunidas em cimeiras faucifloras, apresentando 5 sépalas, 5 pétalas, 5 estames e 3 estiletes. O fruto é uma cápsula alongada, abrindo-se por 3 a 5 valvas, com numerosas sementes aladas. As raízes são frágeis. Possui sabor adstringente e amargo.
Os pêlos glandulares das folhas secretam pequenas gotas mucilaginosas, dando a aparência de estar coberta por orvalho, originando daí o nome vulgar Orvalho-do-sol. Desta forma Drosera é uma palavra grega e significa “orvalho” e rotundifolia designa a forma arredondada das folhas.
É oriunda da zona temperada da Europa e América do Norte, podendo ser encontrada na América do Sul nos territórios chileno e argentino.

Nome Científico: Drosera rotundifolia L.

Nome Popular: Drosera, Rossolis e Orvalho-do-sol, no Brasil; Rorela, Orvalhinha, Drósera e Orvalho-do-sol, em Portugal; Drosera, Hierba de la Gota e Rocío de Sol, em espanhol;Sundew e Rond Leav’d Sundew, em inglês; Rosolida e Rugiada del Sole, na Itália; Roseé du Soleil e Rossolis, na França; Sonnenthau, na Alemanha.

Denominação Homeopática: DROSERA.

Família Botânica: Droseraceae.

Parte Utilizada: Ramo e folha.

Princípios Ativos: Naftoquinonas (0,25%): plumbagina, hidroplumbagina, 7-metil-hidrojuglona; Flavonóides: kempferol, quercetina, miricetina e hiperosídeo; Resina; Taninos; Ácidos Orgânicos: butírico, cítrico, fórmico, gálico, málico e propiônico; Carotenóides.

Indicações e Ações Farmacológicas: É indicada na tosse irritativa, na bronquite, na faringite e na asma. Externamente é utilizada nas inflamações osteoarticulares, nas contraturas musculares, nas mialgias e nas neuralgias. Na Homeopatia é um remédio para a tosse espasmódica, quintosa, que termina em náuseas e vômitos alimentares, especialmente com coceira na garganta e coqueluche, entre outras aplicações.
A Drosera tem sido uma espécie muito difundida dentro do espectro das enfermidades respiratórias, especialmente nos casos de constrição bronquial, tosse e bronquite. Estudos feitos em animais, demonstraram que extratos desta espécie têm demonstrado prevenir fenômenos de broncoespasmos induzidos pela acetilcolina ou histamina. A atividade antiespasmódica, devido a presença das naftoquinonas, também foi observada no intestino isolado de ratos, onde se promoveu uma indução espasmódica por cloridrato de bário. A Drosera também tem sido apontada como uma espécie capaz de prevenir acessos de tosse induzidos por uma excitação do nervo laríngeo em coelhos (Oliver-Bever, 1986).
As naftoquinonas têm demonstrado possuir propriedades antimicrobianas in vivo, especialmente sobre bactérias Gram positivas, Gram negativas, vírus da Influenza, protozoários e fungos oportunistas (Vichkanova S. et al. 1972).

Toxicidade/Contra-indicações: Doses terapêuticas de plumbagina têm provocado irritações cutâneas (Mitchell J., 1979).
Pela falta de dados quanto a utilização da Drosera durante a gravidez e a lactação, recomenda-se não administrar formas farmacêuticas desta planta durante estes períodos.

Dosagem e Modo de Usar:
• Infusão: 15 g/l, tomar 3 ou 4 xícaras ao dia;
• Extrato Fluido (1:1): 10-20 gotas, uma a três vezes ao dia;
• Tintura (1:5): 25-50 gotas, três a cinco vezes ao dia. Crianças: 1-5 gotas por dose;
• Xarope (usar 5-10% do Extrato Fluido): 4-6 colheres de sobremesa.
• Homeopatia: Tintura-mãe 6ª à 30ª na coqueluche; 1ª à 3ªx nas outras tosses espamódicas.

Referências Bibliográficas:

• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Ediciones. Buenos
Aires. 1998 ( o qual cita as referências mostradas nos itens Indicações e Ações
Farmacológicas/ Toxicidade e Contra-indicações).

• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª
edição. 1998.

• Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Reader’s Digest do Brasil. 1ª edição.
1999.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 1983.

• COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. 1994.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Nenhum comentário: