Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 17 de março de 2009

Efedra

A Efedra é uma planta muito antiga e tem sido utilizada por muito tempo no Oriente contra as enfermidades respiratórias e alérgicas, especialmente no tratamento da asma brônquica. Os botânicos consideram-na como um elo evolucionário entre as plantas floríferas e as coníferas. Em 1924 foi introduzida no Ocidente.
É uma planta frágil que mede de 0,40 a 1 metros de altura, com caule prostrado e ascendente. Os ramos são verde-glaucos, opostos ou fasciculados, constituídos por artículos rígidos de 2 a 4 centímetros e estriados. As folhas são transformadas em duas pequenas escamas opostas, situadas na articulação dos ramos. As flores são amarelo-esverdeadas, sem cálice na corola, mas com escamas florais redondas e aglomeradas em amentilhos pedunculados, sendo o amentilho masculino ovóide com 4 a 8 pares de flores e o amentilho feminino com 1 par de flores envolvido por escamas imbricadas. O fruto é uma pseudodrupa carnuda e vermelha que envolve uma semente nua.
A Organização Mundial da Saúde e a Farmacopéia Japonesa XIII (1996) consideram como droga vegetal as partes aéreas das espécies do gênero Ephedra que contenham efedrina. Destacam-se as espécies: Ephedra sinica Stapf e Ephedra distachya L.

Nome Científico: Ephedra distachya L. Sinonímia: Ephedra arborea Lag. ex Bertol.; Ephedra botryoides Fisch.; Ephedra dubia Reg.; Ephedra gerardiana Wall.; Ephedra macrocephala Bertol.; Ephedra maritima St.-Lag.; Ephedra media C. A. Meyer; Ephedra minor Host; Ephedra monostachya L.; Ephedra podostylax Boiss.; Ephedra polygonoides Pall.; Ephedra stenosperma Schranck et C. A. Meyer; Ephedra subtristachya C. A. Meyer; Ephedra vulgaris Rich.

Nome Popular: Efedra, Morango-do-campo, Ma-huang e Cipó-de-areia, em português; Efedra, e Ma-huang, em espanhol; Éphédra e Ma-huang, na França; Teamsters Tea, em inglês.

Denominação Homeopática: EPHEDRA VULGARIS.

Família Botânica: Ephedraceae (Ginetaceae).

Parte Utilizada: Ramo (partes aéreas).

Princípios Ativos: Alcalóides ou Protoalcalóides: derivados do núcleo fenil-etilamina (anfetamínico), destacando a efedrina e seus isômeros: pseudoefedrina, metilefedrina, metil-pseudoefedrina, metil-pseudoefedrina, norefedrina e nor-pseudoefedrina; Alcalóides Macrocíclicos: são derivaos da espermina, destacando as efedradinas A, BV, C, D e E; Flavonóides; Protoantocianidóis; Oxazolidona; Taninos.

Indicações e Ações Farmacológicas: A Efedra é geralmente indicada na asma , rinite e hipotensão arterial. Em Homeopatia é utilizada no bócio exoftálmico, com batimentos cardíacos tumultuosos e com a sensação dos olhos serem atirados ou arrancados das órbitas. Também empregada na asma e na rinite alérgica.
A atividade da efedrina e dos demais alcalóides é do tipo simpatomimético ( e -adrenérgica) com uma marcada ação estimulante dos centros nervosos respiratórios ao nível bulbar. Sua potência é menos marcada que a correspondente a das anfetaminas e sua atividade central se deve em parte a sua ação sobre os neurônios pós-ganglionares, produzindo a liberação de norepinefrina pelas vesículas de armazenamento das terminações nervosas (Goodman e Gilman A., 1986; Furuya I. e Watanabe S., 1993).
Seus efeitos ao nível cardiovascular são similares aos da epinefrina, mas estes se prolongam até umas 10 vezes mais de tempo. A freqüência cardíaca pode baixar sem se modificar, porém é aumentada se houver um bloqueio dos reflexos vagais. Com um retorno venoso adequado a força contrátil e o gasto cardíaco aumentam com a droga (Schumann H. et al., 1978). Ocorre também um aumento de pressão arterial tanto sistólica quanto diastólica devido a uma ação vasoconstritora periférica.
Ao nível bronquial, produz um relaxamento muscular menos marcado, mais pronunciada que com a noradrenalina. Isso faz com que se possa se administrar nos casos de asma leve ou crônica durante episódios curtos (Webb Johnson D., 1977).
Ocorre midríase quando é aplicada localmente sobre os olhos, sem provocar reflexos ou modificações na pressão intraocular. Este efeito é mais marcado em indvíduos que têm íris clara (Grant W., 1969).
Estudos realizados em ratos com extratos alcoólicos e aquosos revelaram que a administração de Ephedra distachya produzem transitória hiperglicemia seguida de uma longa e prolongada hipoglicemia. A investigação feita em modelos normais e hiperglicêmicos induzidos por haloxano revelaram que os compostos mais ativos desta atividade seriam os efedranos A, B, C, D e E (Handa S. e Chawla Maninder A., 1989).
Os efeitos estimulantes sobre o sistema nervoso central são menos marcantes que os observados com a epinefrina. A nor-pseudoefedrina é considerada como uma verdadeira anfetamina pelo seu intenso efeito psicoestimulante, vastamente empregado em formas magistrais emagrecedoras, combinado com bases xantínicas como a cafeína (Kalix P., 1991).

Toxicidade/Contra-indicações: A grande variedade quanto ao conteúdo de alcalóides entre exemplares idênticos faz com que se recorra freqüentemente a formas farmacêuticas estandarizadas. As reações observadas são no geral inaceitáveis aos efeitos sobre o sistema nervoso central, em especial a ansiedade, tremores e insônia (quando administrado em forma continuada. Excepcionalmente é observada psicose tóxica.
Quando a efedrina é empregada como descongestionante nasal, sua ação vasoconstritora sobre a mucosa atua durante quatro ou seis horas, porém a congestão retorna devendo o paciente recorrer a outras doses inclusive maiores, o qual é o único que se faz condicionar um processo crônico. Este uso não deve exceder 4-5 dias contínuos (Peris J. et al., 1995).
É contra-indicado o uso nos casos de hipertensão arterial, insuficiência coronária, hipertiroidismo, diabetes do tipo II, glaucoma, atonia vesical, hipertrofia prostática (por diminuir a capacidade contrátil da bexiga), lactação e gravidez (Peris J. et al., 1995).
Nunca associar este medicamento com algum inibidor da MAO ou digitálicos.

Dosagem e Modo de Usar: Verificar as fórmulas comerciais.
• Homeopatia: Tintura-mãe, de 1 a 20 gotas. É necessário tatear a sensibilidade individual.

Referências Bibliográficas:

• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Ediciones. Buenos
Aires. 1998 ( o qual cita as referências mostradas nos itens Indicações e Ações
Farmacológicas/ Toxicidade e Contra-indicações).

• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª
edição. 1998.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 21ª edição. 1983.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

• The Japanese Pharmacopoeia XIII, 1996.

• WHO monographs on selected medicinal plants, vol. 1, 1999.

Nenhum comentário: