Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 10 de março de 2009

Graviola

A Graviola é uma árvore regular, que mede até 10 metros de altura, apresentando casca aromática. As folhas são alternas, pecioladas, oblongo-obovadas ou ovadas, às vezes elítico-oblongas, geralmente curto-acuminadas no ápice, agudas ou um pouco arredondadas na base, até 15 centímetros de comprimento e 7 centímetros de largura, verdes e vernicosas na página superior, mais ou menos ferrugínea e com bolsas na axila das nervuras laterais na página inferior, ligeiramente tomentosas. A inflorescência é cauliflora, brotando da casca velha do caule e dos ramos; os pedúnculos são robustos; as flores são axilares, solitárias, sub-globosas, amareladas, amarelo-enxofre ou creme, com seis pétalas grossas e carnosas, côncavas, até 4 centímetro de comprimento e 3 centímetro de largura, cordadas na base e acuminadas no ápice, as interiores um pouco menores e menos espessas, imbricadas. O fruto é uma baga de forma irregular, mais ou menos ovóide, elipsóide ou um pouco cordiforme, até 30 centímetros de comprimento e 12 centímetros de largura, com epiderme verde-escura, espessa e areolada. As sementes são castanhas ou pretas, de formato elíptico-oblongo.
A Graviola é a espécie típica do gênero Annona, sendo objeto de cultura bem antes da descoberta da América. Sua origem é obscura, porém muitos autores asseguram ainda hoje que é silvestre de várias ilhas antilhanas, tais como Cuba, Jamaica, Porto Rico, dentre outras.

Nome Científico: Annona muricata L.

Nome Popular: Graviola, Araticum de Comer, Araticum do Grande, Araticum Manso, Areticum, Jaca, Jaca de Pobre, Coração de Rainha, Jaca do Pará, Jaqueira Mole, no Brasil; Anon, dos antigos aborígenes haitianos; Anona Amarilla, Cabeza de Negro e Zapote de Viejas, no México; Guanábana e Guanábano, para todos os países hispano-americanos; Guanábano e Guanábano de México, na Espanha; Cachiman Épineux, Corossolier e Grand Corossol, dos colonos franceses; Sour Sup, em inglês; Zuurzak, na Holanda.

Família Botânica: Annonaceae.

Parte Utilizada: Folha e caule.

Princípios Ativos: Estudos fitoquímicos indicaram a presença de muitas substâncias, incluindo taninos, alcalóides e ácido gama-aminobutírico (GABA) nas folhas de Annona muricata (Keharo e Adam, 1974).

Indicações e Ação Farmacológica: M. Pio Corrêa indica que as folhas da Graviola são béquicos, peitorais, antiespasmódicas e antidesentéricas.
A decocção das folhas maduras de Annona muricata (L.) (Annonaceae) é usada na medicina popular africana no tratamento de febres e ataques convulsivos (Adjanohoun, 1989; Iwu, 1993).
Um estudo que foi publicado em 1997, testou os efeitos do extrato etanólico de Annona muricata em convulsões induzidas por 1992, provindas da reserva de Wongua-Wongue, no Gabão, secas, transformadas em pó grosso e extraídas em etanol 99,99%. Os ratos utilizados na experiência eram machos e pesavam entre 20-25 gramas. Os resultados foram os seguintes:
No grupo de controle, a indução por pentilenotetrazol consistiu em convulsões clônicas. Convulsões tônicas e mortalidade foram observadas em 10 de 12 ratos. Um pré-tratamento com extrato da planta nas doses de 100 mg/kg (p<0,05) e 300 mg/kg (p<0,001), resultaram em uma diminuição significativa na incidência de convulsão do tônica e na mortalidade. O extrato da planta nas doses indicadas promoveram diminuição na incidência de ataques convulsivos tônicos por indução de pentilenotetrazol, porém não afetou a incidência das convulsões clônicas em nenhuma das doses.
Abaixo indicamos a tabela dos resultados desta experiência:

­­­­­­­­­­­­­­Tabela 1: Efeitos das variações das doses do extrato etanólico das folhas de Annona muricata na indução de ataques convulsivos por pentilenotetrazol (PTZ)
Tratamento Nº de ratos por Dose Latência
grupo (mg/kg) de ataques
clônicos Convulsões Mortalidade
(min.) Clônica Tônica

PTZ + solvente 12 - 03,02±1,42 12/12 10/12 10/12
PTZ + A.muricata 12 5 08,31±2,03 12/12 10/12 10/12
PTZ + A.muricata 12 50 10,21±2,84 12/12 8/12 8/12
PTZ + A.muricata 12 100 14,82±3,32 12/12 6/12 6/12
PTZ + A.muricata 12 300 13,10±3,64 12/12 4/12 4/12



Toxicidade/Contra-indicações: No mesmo estudo descrito no item anterior, um teste de toxicidade aguda foi realizado, o qual chegou aos seguintes resultados:
Doses baixas (5-100 mg/kg) do extrato da planta, não ocorreu déficits neurológicos. Entretanto, em doses maiores, 300 e 1000 mg/kg, efeitos colaterais foram observados, incluindo a redução do comportamento explorador e constrições abdominais foram observadas em 20% e 60% dos animais respectivamente. Não ocorreram mortes durante 24 horas após a administração do extrato da planta.

Dosagem e Modo de Usar: Não há referências nas literaturas consultadas.

Referâncias Bibliográficas:
N’GOUEMO, P.; KOUDOGBO, B.; TCHIVOUNDA, H. P.; Nguema,C. A.;
ETOUA, M. M. Effects of Ethanol Extract of Annona muricata on
Penylenetetrazol-induced Convulsive Seizures in Mice, Phytotherapy Research,
vol.11, 243-245, 1997.

CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.

Nenhum comentário: