Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

segunda-feira, 23 de março de 2009

Guaco

Planta nativa da América do Sul, o Guaco apresenta ampla distribuição no Brasil, sendo encontrado da Bahia até Santa Catarina. É um subarbusto trepador de ramos lenhosos, cilíndricos, estriados, castanhos; suas flores são reunidas em capítulos, de cor branca e que são muito procuradas por abelhas melíferas durante a floração; o fruto é do tipo aquênio cilíndrico e glabro. As folhas constituem a droga vegetal e são portanto descritas pela Pharmacopéia dos Estados Unidos do Brasil 1ª Edição (1926): “A folha do guaco é peciolada, oval-lanceolada, aguda, de 10 a 15 cm de comprimento, de margens inteiras e um tanto sinuosas, glabras e luzidia sobre ambas páginas, sensivelmente lobada, de base arredondada, truncada ou cordada; contém de 3 a 5 nervuras básicas, oriundas do ápice do pecíolo, que mede de 3 a 6 cm de comprimento.
Seca, esta folha é fracamente aromática e possui sabor aromático e amargo.”
É uma planta que se adapta em qualquer tipo de solo, sendo os argilosos e úmidos os mais adequados. Pode ser colhido no final do inverno, tomando-se o cuidado de não arrancar a rama principal.
Em regiões onde a incidência por picadas de cobras é alta, prepara-se um contra-veneno com o Guaco.

Nome Científico: Mikania guaco Mut. Sinonímia: Mikania glomerata Spreng.; Cacalia trilobata Vell.; Mikania hederaesfolia D.C.

Nome Popular: Guaco, Guaco-liso, Guaco-de-cheiro, Erva-das-serpentes, Cipó-caatinga, Uaco, Erva-de-cobra, Cipó-sucuriju, Erva-de-sapo, Coração-de-jesus, Erva-cobre e Guaco-trepador, no Brasil; Bejuco, na Argentina.

Observação: No Brasil existem muitas espécies diferentes que popularmente são denominadas por Guaco. Alguns exemplos são: Eupatropium bupleurifolium D.C.; Mikania cordifolia Willd.; Mikania populifolia; Mikania triangularis Bak. e Mikania satueiaefolia Willd.

Denominação Homeopática: GUACO.

Família Botânica: Asteraceae (Compositae).

Parte Utilizada: Folha e caule.

Princípios Ativos: Princípio Amargo: guacina; Cumarinas; Taninos; Saponinas; Guacosídeo; Substâncias Resinosas; Terpenos: ácido caurenóico e ácido grandiflórico.

Indicações e Ação Farmacológica: O Guaco é empregado nas afecções do aparelho respiratório: bronquite crônica, asma e tosses; nas dores de origem reumática; nos quadros febris; Externamente é indicado nas dermatites, nos ferimentos e nas afecções da orofaringe.
Os constituintes do Guaco relaxam a musculatura lisa das vias aéreas e estimulam a secreção do muco, facilitando a expulsão do catarro pela tosse. Portanto promove uma ação broncodilatadora, expectorante e antiasmática.
Nos estados febris, promove aumento da sudorese e aumenta a diurese. Possui, então, ações febrífuga e diurética, respectivamente.
Forma uma película ou uma espécie de filme protetor quando aplicado sobre a pele. Exerce efeito emoliente, depurativo e cicatrizante.

Toxicidade/Contra-indicações: Altas doses podem causar vômito e diarréia. O uso prolongado desta droga vegetal pode ocasionar acidentes hemorrágicos, por haver o aparecimento de em efeito antagonista com a vitamina K.
Quanto às contra-indicações, não há referências na literatura consultada.

Dosagem e Modo de Usar:
• Uso Interno:
- Extrato Fluido (1:1): 1 a 4 ml por dia;
- Tintura (1:5): 5 a 20 ml por dia;
- Xarope: 10 a 40 ml por dia.

• Uso Externo:
- Infuso ou Decocto a 5%: Aplicar várias vezes ao dia.

Referências Bibliográficas:
• ALBINO, R. Pharmacopéia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.

• CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.

• OLIVEIRA, F.; AKISUE, G.; AKISUE, M. K. Farmacognosia. 1ª edição.
1996.

• COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. 1994.

• TESKE, M.; TRENTINI, A. M. Herbarium Compêndio de Fitoterapia.
Herbarium. Curitiba. 1994.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Nenhum comentário: