Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

segunda-feira, 23 de março de 2009

Guiné

A denominação de seu nome científico Petiveria foi atribuída ao botânico inglês Petiver (1658-1748), o qual a descreveu e a estudou exaustivamente. Quanto ao nome da espécie alliacea, é uma alusão ao seu aroma e sabor parecido ao do Alho.
Os maias esmagavam a raiz e a colocavam sobre as folhas que previamente estavam depositadas sobre o corpo do paciente, com o qual poderia curar os diferentes males.
É uma planta muito empregada nos rituais afro-brasileiros, sendo dedicada a Oxossi e Ogum, usada em trabalhos contra forças negativas, tanto para afastar maus olhados quanto espíritos, participando da composição de defumadores e banhos, assim como nas rezas.
É uma herbácea perene, que atinge de 1 a 4 metros de altura, às vezes mais, com o tronco destituído de asperezas. As folhas são pontiagudas, curtas, alternas, dispostas em ramos de modo alternado. As flores são sésseis, pequenas, verdolengas e se apresentam na forma de espigas finas.

Nome Científico: Petiveria alliaceae L. Sinonímia: Mapa graveolens Well.; Petiveria foetida Salisb; Petiveria ochroleuca Moq.; Petiveria octandra L.; Petiveria hexandra S. et Moq.; Petiveria tetandra L.

Nome Popular: Guiné, Guiné Pipi, Amansa Senhor, Ecoembo, Embiaembo, Erva Guiné, Erva Pipi, Mucura Caá, Pipi, Raiz da Guiné, Tipi, Tipi Verdadeiro, em português; Petiveria, Anamú, Epacina, Hierba de Toro, Mapurita, Mazote, Raiz de Pipi e Yerba de Pipi, em espanhol; Herbe Aux Poules de Guinée, na França; Garlic Sented Petiveria.

Denominação Homeopática: PETIVERIA TETANDRA.

Família Botânica: Phytolaccaceae.

Parte Utilizada: Folha e caule.

Princípios Ativos:
• Folhas: Alantoína, Nitrato de Potássio, Álcool Lignocerílico, Lignocerato de Lignoceril, Ácido Linolêico, Ácido Nonadecanóico, Ácido Olêico, Ácido Palmítico e Ácido Esteárico. Também foi reportada a presença de esteróides, terpenóides (isoarborinol, acetato de isoarborinol e cinamato de isoarborinol), saponinas, polifenóis e taninos.
• Caule: Derivados Sulfurados; Derivados Benzênicos: benzaldeído, ácido benzóico e dibenzil-trisulfito.

Indicações e Ação Farmacológica: Em Homeopatia O Guiné é usado nas hidropsias, no reumatismo e na blenorragia. As principais atividades biológicas e indicações da Guiné se enquadram dentro do campo da Infectologia, Reumatologia e Oncologia:
• Infectologia: O extrato hidroalcoólico a 70%, elaborado a partir das partes aéreas, tem demonstrado atividade antimalárica in vitro frente a cepas de Plasmodium falciparum em doses de 100 mcg/ml (Sauvain M., 1989). O extrato aquoso em concentração de 1 ml em placa, proporcionou resposta positiva frente a Epidermophyton flocossum, um microorganismo que promove infecções dermatológicas, porém não exerce ação frente a outros cinco dermatofitos estudados (Cáceres A. et al., 1991).
A forma isolada de um dos derivados sulfurados, tem demonstrado atividade contra o Bacillus subtilis (CIM: 3 mg), Staphylococcus aureus (CIM: 6,3 mg), Escherichia coli (CIM: 50 mg) e Candida albicans (CIM: 3,1 mg) (Berdy J. et al., 1982).

• Reumatologia: O mecanismo proposto para a atividade antiinflamatória seria através da inibição da enzima ciclooxigenase, a exemplo do naproxeno (Whittle B., 1983; Germano D. et al., 1993). A mesma atividade foi observada em modelos de edema plantar induzido por carragenina em dose oral de 6,25 g/kg de uma decocção de folhas e com 750 mg/kg de uma infusão de raiz. Em doses de 10 g/kg, comprovou-se uma diminuição das contorsões induzidas pela injeção intraperitoneal de ácido acético, sendo débil a resposta em doses menores, por exemplo 1 g/kg (Del Carmen Rivas M. et al., 1988; Cáceres A. et al., 1992).

• Atividade Oncológica: Em 1981 foi publicado um estudo do Dr. Sérgio Santana Sánchez o qual informou sobre 246 casos de câncer (em especial leucemia) tratados com êxito a partir desta planta. O mecanismo de ação em estudos preliminares demonstrou in vitro unicamente um aumento da fagocitose celular quando se administra a frção não saponificável de forma intra peritoneal em doses de 0,5 ml em ratos. Por sua vez, o componente derivado sulfurado benzil-2-hidroxi-5-etil trisulfeto está relacionado com uma ação estimulante do sistema retículo-endotelial (Delaveau P. et al., 1980; Duke J., 1991).

Toxicidade/Contra-indicações: Tem-se descrito um quadro denominado caquexia muscular distrófica caracterizada por uma debilidade nos membros posteriores, perda de peso, dilatação cardíaca e lesões renais. Pode existir uma relação entre o consumo excessivo desta planta e a inibição da colinesterase sangüínea, considerando-se a reação toxicológica similar a produzida pelos carbamatos (Nuñez B. et al., 1983).
A DL50 em camundongos foi calculada em 360mg/kg e em ratazanas de 1,7 g/kg por via intraperitoneal (Delaveu P. et al. 1980).
É contra-indicado o uso durante a gravidez.

Dosagem e Modo de Usar:
Homeopatia: T.M. à 3ª.x

Referências Bibliográficas:
• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Editora. Buenos
Aires 1998.

• Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Seleções do Reader’s Digest. 1ª
edição. 1983.

• PANIZZA, S. Plantas que Curam (Cheiro de Mato). 7ª edição. 1997.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 1983.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Nenhum comentário: