Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

segunda-feira, 23 de março de 2009

Hera Terrestre

Apreciada desde a Alta Idade Média como planta medicinal, a Hera Terrestre era conhecida pelas propriedades peitoral e vulneraria. No século XVI, era aplicada nas feridas internas e externas e até mesmo era utilizada para combater a loucura.
Na Farmacopéia Francesa existe uma preparação onde a Hera Terrestre é um dos componentes, o chá-suíço, muito eficaz para a recuperação de qualquer tipo de comoção.
A Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil 1ª edição (1926) descreve as partes aéreas desta espécie:
“O caule da hera terrestre é herbáceo, delgado, quadrangular, simples, radicante na base e direito na parte superior, de 15 a 30 cm de altura e guarnecido de folhas opostas, longamente pecioladas, muito distanciadas, reniformes suborbiculares, grosseiramente crenadas, de cor verde sombria ou às vezes arroxeada, mais clara em baixo e pubescentes sobre as nervuras. As flores, azuis ou purpurinas, são reunidas em número de 3 a 4 por glomérulo na axila das folhas superiores; o cálice tubuloso, estriado, apresenta 5 dentes desiguais; a corola, cujo tubo é dilatado acima do cálice, é bilabiada; os estames, em número de 4, são didínamos e suas anteras possuem lojas divergentes que se abrem por uma fenda longitudinal e interna; o gineceu compreende 2 carpelos antero-posteriores, separados um do outro, e cada um dos ovários é dividido por um fenda mediana profunda em 2 lojas mais ou menos distintas; no espaço que separa essas 4 divisões se insere um estilo ginobásico, encimado por 2 lobos estigmáticos; cada loja ovariana contém um óvulo ascendente, anátropo, de micrópilo externo.
Esta planta possui cheiro aromático pouco pronunciado na planta seca, e sabor balsâmico, amargo, levemente acre.”

Nome Científico: Glechoma hederacea L. Sinonímia: Nepeta glechoma Benth.; Calamintha hederaceae Scop.; Calamintha humilior Tourn; Chamaeclema hederacea Moench; Glechoma borealis Salisb.; Glechoma heterophylla Opiz; Glechoma hirsuta Waldst. et Kit.; Glechoma intermedia Schrad. ex Benth.; Glechoma lamiifolia Schur; Glechoma lobulata Kit.; Glechoma longicaulis Dulac; Glechoma magna Mérat; Glechoma micrantha Boenn. ex Rchb.; Glechoma repens Gilib.; Glechoma rigida A. Kern.; Glechoma rotundifolia Raf.; Hedera terrestris vulgaris Bauh.; Nepeta hederacea Trev.

Nome Popular: Hera Terrestre, Erva de São João, Erva Terrestre, Hera, Hortelã do Mato, Malvela e Sanguina, em português; Echter Gundermann, Erdepheu, Gundelrebe e Gundermann, na Alemanha; Jord-Verdbende, na Dinamarca; Hiedra Terrestre e Hierba de San Juan, em espanhol; Herbe de Saint-Jean, Herbe du Bonhomme, Lierre Terrestre, Rondelle e Rondote, na França; Aardevil, na Holanda; Alehoof, Cat’s-Foot, Field-Balm, Gell, Gill, Gill-Over-The-Ground, Ground Ivy, Hedge-Maids, Hove, Ivy-Ground, Tun-Hoof, Wild Snake-Root, em inglês; Corona di Terra e Edera Terrestre, na Itália; Bluszsz Poziemy, na Polônia; Jordrefvor, na Suécia.

Denominação Homeopática: GLECHOMA HEDERACEA.

Família Botânica: Labiatae.

Parte Utilizada: Caule e folha.

Princípios Ativos: Aminoácidos: ácido asparagico, ácido glutâmico, prolina, tirosina, valina; Flavonóides: principalmente os glicosídeos da luteolina, apigenina e quercetina incluindo a luteolin-7-glucobiosideo (cynarosídeo), hiperosídeo, apigenin-7-glicosídeo (cosmosiina) e isoquercitrina; Triterpenóides: incluindo os ácidos, oleanólico, - e -ursólicos e -sitosterol. Investigações na planta inteira revelaram 2- e 2-hidroxiursólico, ácido oleanólico e uvaol; Ácidos Fenólicos: clorogênico, cafêico e rosmarínico; Óleo Essencial: constituído por um sesquiterpeno: glechomafurano e por vários componentes terpenóides, dentre eles: p-cimeno, linalool, limoneno, mentona, -pineno, -pineno, pinocamfona, pulegona e terpineol; Princípio Amargo: marrubiína (uma lactona diterpênica) e glechomina; Saponinas; Taninos.

Indicações e Ações Farmacológicas: A Hera Terrestre é indicada nos estados de gripe, resfriado, faringite, bronquite, asma, colite, ferida e furúnculos. Popularmente é utilizada como sedativo, antidiarréico e contra as afecções urinárias.
As ações da Hera Terrestre conferem: expectorante, anticatarral, adstringente, vulneraria, diurética e antiinflamatória, dentre outras.
A marrubiína é responsável pela ação fluidificante das secreções mucosas e é expectorante. Os taninos promovem atividade adstringente e cicatrizante. Os ácidos fenólicos exercem uma ação anti-séptica.
Estudos em animais in vivo reportaram atividade antiinflamatória em m extrato etanólico de Hera Terrestre, o qual exibiu inibição moderada de edema em induzido por carragenina em pata de ratos.
Os ácidos 2- e 2-hidroxiursólico, demonstraram possuir atividade protetora de úlceras em ratos.
As propriedades antiinflamatória e adstringente são geralmente associadas com os flavonóides e taninos respectivamente. Também é atribuída ao ácido rosmarínico a propriedade antiinflamatória.

Toxicidade e Contra-indicações: Envenenamento em bovinos e eqüinos foram registrados na Europa. Os sintomas incluem aceleração da pulsação, dificuldade em respirar, hemorragia conjuntival, temperatura elevada, tontura, aumento do baço, dilatação do ceco, e gastroenterite revelada post mortem. Atividade anti-tumoral e citotoxicidade tem sido demonstrado pelos ácidos olenólico e ursólico.
O óleo essencial da Hera Terrestre contém muitos terpenóides, sendo desta forma muito irritante para o trato gastrintestinal e rins. A pulegona é um princípio irritante, hepatotóxico e abortivo constituinte do Poejo. Entretanto, comparando as porcentagens de óleos essenciais nestas duas espécies verifica-se que o teor total é de 0,03-0,06% na Hera Terrestre e 1-2% no Poejo.
A Hera Terrestre é contra-indicada na epilepsia. Doses elevadas podem ser irritantes para a mucosa gastrintestinal e deve ser evitada para indivíduos que possuam algum distúrbio renal. Também deve ser evitado o uso durante a gravidez e a lactação.

Dosagem e Modo de Usar:
• Uso Interno:
- Infusão: 2-4 gramas, três vezes ao dia;
- Extrato Fluido (1:1 em álcool 25%): 2-4 ml três vezes ao dia;
- Tintura (1:5): 50-100 gotas, uma a três vezes ao dia;

• Uso Tópico:
- Decocção: 30 a 50 g/l, sob a forma de cataplasmas.


Referências Bibliográficas:
• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª edição.
1998.

• ALBINO, R. Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

• British Herbal Compendium. 1st edition. Volume 1. BHMA. 1992.

• NEWALL, C. A.; ANDERSON, L. A.; PHILLIPSON, J. D. Herbal Medicines - A
guide for health-care professionals. 1ª edição. Londres. 1996.

• Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Reader’s Digest do Brasil. 1ª edição.
1999.

Nenhum comentário: