Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

segunda-feira, 23 de março de 2009

Hera

Planta de porte arbustivo, trepadeira, com raízes adventícias e fixadoras. Suas folhas são alternas, glabras, longo-pecioladas, palmadas, levemente trilobadas, base cordiforme, verde escuras, às vezes com manchas brancacentas e limbo de até 10 centímetros de comprimento; nos ramos floríferos as folhas se apresentam com forma lanceo-ovalada ou rômbea, sem lóbulos, mais ou menos acuminado na base obtusa. As flores são verde-amareladas, em umbelas terminais ou em umbelas longo-pedunculadas, tomentosas. Os frutos são pretos ou às vezes amarelos.
É originária da Europa, norte da África, Ásia e Ilhas Canárias e apresenta numerosas variedades. Na antiguidade esta planta foi conhecida como “mágica”, protegendo contra os maus espíritos.

Nome Científico: Hedera helix L. Sinonímia: Hedera arborea Gars.; Hedera communis Gray.; Hedera lobata Gilib.; Hedera poetarum Bertol.; Hedera poetica Salisb.

Nome Popular: Hera, Hera-de-folha-larga, Hera Européia e Hera Verdadeira, no Brasil; Aradeira, Heradeira, Hereira, Hédera e Hedra, em Portugal; Edera e Ellera, na Itália; English Ivy e Ivy, em inglês; Lierre, Lierre D’ Europe, Lierre En Arbre e Lierre Grimpant, na França; Hiedra, Yedra e Yedra Trepadora, em espanhol; Tch’ang Tchóen T’eng, na China.


Denominação Homeopática: HEDERA HELIX.

Família Botânica: Araliaceae.

Parte Utilizada: Folha e caule.

Princípios Ativos:
• A planta inteira: Saponinas Triterpênicas: Glicosídeos da Hederagenina (hederacosídeo C e -hederina); Glicosídeos do Ácido Oleanóico (hederacosídeo B e -hederina).
• Folhas: Flavonóides: rutosídeo e rutinosídeo; Ácidos Orgânicos: cafêico e clorogênico; traços de Alcalóides: emetina; Poliacetilenos: falcarinona e falcarinol; Fitosteróis: sitosterol, estigmasterol, campestrol e espinasterol; Sesquiterpenos: germacraneno e -elemeno.
• Caule: gomoresina e traços de falcarinona (cetona poliacetilênica).

Indicações e Ação Farmacológica: É indicada para o uso interno na bronquite, nas asma e no enfisema pulmonar. Externamente é usada na cicatrização de feridas, nas varizes, nas
úlceras tróficas ou varicosas, no reumatismo, nas nervralgias, na dissolução dos nódulos celulíticos e na prevenção e tratamento das estrias dérmicas.
As saponinas apresentam uma atividade vasoconstritora, e, a hederina sozinha exibe, por via interna, atividade antiespasmódica e expectorante, enquanto que por via externa apresenta propriedades analgésicas e lipolíticas. Esta última propriedade é muito empregada na medicina estética, especialmente sobre os nódulos de celulite, combinando-se com a Hidrocotile asiatica (Centella) (Arteche Garcia A. e col.,1994).
A estrutura química das saponinas triterpênicas da Hedera helix se assemelha a vários compostos que tem inativado, in vitro, o HIV. Isto levou a alguns pesquisadores a iniciarem estudos preliminares nesta patologia (Gassita J., 1992).
Pesquisas feitas em 47 casos de celulite tratados com cremes e sabões com extrato de Hedera helix, ao longo de 28 dias, obtiveram-se resultados altamente significativos (J. Frost, 1990).

Toxicidade/Contra-indicações: Toda a planta possui certa toxicidade devido a presença da hederina: pode provocar vômitos, cólicas, transtornos nervosos e é abortiva. A ingestão de dois ou três frutos produz sintomas de intoxicação em crianças: náuseas, vômitos e excitação. Cinco a doze frutos podem causar a morte por colapso respiratório. In vitro apresenta uma ação hemolítica. Recomenda-se recorrer a outras plantas de menor toxicidade para a terapêutica por via interna.
É contra-indicada a administração durante a gravidez.

Dosagem e Modo de Usar:
• Uso Externo:
Decocção: 200 g/l, aplicada sob a forma de compressas;

Cosméticos:
- Infuso: 50-60 gramas de folhas secas em 1 litro de água para escurecer os cabelos;
- Óleo para Massagem: 8-12% de extrato glicólico;
- Creme de Massagem: até 10% de extrato glicólico ou 3% de extrato seco;
- Loções: 6-9% de extrato glicólico ou 3% de extrato seco;
- Shampoos para cabelos normais ou para escurecer os cabelos: 2-5% de extrato glicólico.

Referências Bibliográficas:
• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Editora. Buenos
Aires 1998 (o qual cita os autores no item Indicações e Ação Farmacológica).

• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª
edição. 1998.

• CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

• TESKE, M.; TRENTINI, A. M. Herbarium Compêndio de Fitoterapia.
Herbarium. Curitiba. 1994.

Nenhum comentário: