Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

segunda-feira, 23 de março de 2009

Ipeca Preta

Pequena planta de porte arbustivo, originária dos vales úmidos brasileiros. As folhas são opostas e curtamente pecioladas. As flores (de 10 a 20) são brancas e os frutos são arroxeados. A droga vegetal é constituída pela raiz da Ipeca Preta, sendo descrita da seguinte maneira pela Farmacopéia Brasileira 4ª Edição (1996): “ Raiz tortuosa, simples ou raramente ramificada, medindo até 15 centímetros de comprimento e 6 milímetros de largura. Coloração variando do vermelho-tijolo escuro ao marrom escuro. Externamente, apresenta numeroso anéis rugosos separados entre si por sulcos arredondados contornando completamente a raiz. Fratura breve na casca e lascada no lenho. Superfície lisa em corte transversal, com larga casca espessa, uniformemente densa e muito dura. Rizomas curtos, geralmente unidos à raiz, cilíndricos, de até 2 mm de diâmetro, finamente enrugados no sentido longitudinal, com parênquima medular ocupando aproximadamente 1/6 do diâmetro total.”
Nesta edição do código farmacêutico brasileiro, a descrição macroscópica serve tanto para a espécie Cephaelis ipecacuanha (Brot.) A. Rich, quanto para a espécie Cephaelis acuminata Karsten, diferenciando apenas as espécies na descrição microscópica.
Segundo a Britsh Pharmacopeia International Edition (1993) o termo Ipecacuanha consiste dos órgãos subterrâneos de Cephaelis ipecacuanha (Brot.) A. Rich. , a Ipeca Preta, conhecida como Matto Grosso Ipecacuanha e encontrada no Brasil, ou de Cephaelis acuminata Karsten, espécie encontrada na Costa Rica e conhecida como Costa Rica Ipecacuanha ou ainda a mistura de ambas as espécies. A raiz de Cephaelis acuminata assemelha-se muito com a raiz de Cephaelis ipecacuanha. Porém a Cephaelis acuminata é geralmente 9 mm mais grossa e microscopicamente possui grãos de amido com 22 m de diâmetro, ao passo que a Cephaelis ipecacuanha possui apenas 15 m de diâmetro.

Nome Científico: Cephaelis ipecacuanha (Brot.) A. Rich. Sinonímia: Evea ipecacuanha (Brot.) Standley; Uragoga ipecacuanha Bail.; Pschotria ipecacuanha Mull.; Calicocca ipecacuanha Brot.; Cephaelis emetica Pers.; Ipecacuanha officinalis An. Can.;

Nome Popular: Ipeca Preta; Ipecacuanha, Poaia, Ipeca, Ipecacuanha Preta, Ipecacuanha anelada, Picacuanha, Raiz preta, Cipó de Camelos, Cipó Emético, Poaia-do-Mato, Poaia Legítima, Ipeca do Rio, Ipeca de Cuiabá, Poaia das Boticas, Ipeca de Mato Grosso, Cagosanga, no Brasil; Brechwurzel, Rhurwurzel, na Alemanha; Americansk Kräkot, na Dinamarca; Ipecacuane Annelé, I. Gris Annelé du Bresil, Racine d’Ipecacuanha, na França; Rvotnoi Koren, na Rússia; Poaja, na Colômbia; Bejuquilo, na Argentina; Ipecacuane, na Itália; Brazilian Ipecac, Matto Grosso Ipecacuanha, Ipecac, em inglês; Ipecacuannna, na Holanda e Kräkrot, na Suécia.






Denominação Homeopática: IPECA ou IPECACUANHA.

Família Botânica: Rubiaceae.

Parte Utilizada: Raiz.

Princípios Ativos: Alcalóides Isoquinolêinicos (2-4%): emetina (60-70%), cefelina (25%), psicotrina, éster metílico de psicotrina e emetamina; Saponinas; Açúcar; Amido e Ácido Ipecacuânico; Taninos; Sais Minerais.

Indicações e Ação Farmacológica: É usado nas bronquites, pneumonias, congestões pulmonares, broncopneumonias, e, em geral quando as mucosas das vias respiratórias, inflamadas e ressecadas, estão cobertas de mucosidades, atuando como modificador das secreções e sedativo; agindo sobre as fibras musculares lisas, determina vasoconstrição, razão de ser, de sua ação descongestionante e hemostática. Empregado no tratamento das diarréias e disenterias, em especial a amebiana. Dos seus princípios ativos destaca-se a emetina, que sob a forma de cloridrato, é usada em poções, grânulos e ampolas, sendo mais prescrita para uso hipodérmico, o que poupa ao doente, náuseas e transtornos digestivos, possuindo ação anti-hemorrágica e antiparasitária.
As mesmas agem de acordo com os seus alcalóides majoritários: emetina e cefelina, gerando diferentes respostas segundo as doses empregadas. Doses baixas provacam um efeito expectorante, enquanto que doses altas são emetizantes. As doses usuais promovem um efeito antihelmíntico e estaciona estados de disenterias.
A emetina em doses terapêuticas apresenta um marcado efeito inibitório sobre a fase amebóide da Entamoeba histolytica, porém não possui efeito tão efetivo frente às formas císticas que habitam a luz intestinal. Isto faz com que ocorra uma eliminação parcial dos trofozoítos e promovendo a viabilização dos cistos, concluindo desta forma que o tratamento foi incompleto e o paciente continua sendo portador (Harries, J., 1982).
Para evitar que isto ocorra, combina-se a emetina com outras drogas no curso do tratamento, ou simplesmente se substitui por nitroimidazóis, de eficácia similar, porém menos tóxicos (Goldman P., 1980). Também se pode recorrer ao análogo dihidroemetina, o qual também mostrou-se menos tóxico que a emetina, sendo sua dose em adultos equivalente a 1-1,5 mg/kg diários (máximo de 90 mg diários e cinco dias de tratamento). A baixa tolerância gástrica que possui estes alcalóides, faz com que eles sejam administrados parenteralmente, o qual não está isento de reações adversas locais tais como dor ou abscessos (Goldman e Gilman A., 1986).
Em relação ao efeito emético, o mesmo foi elucidado na década de 50, ao comprovar que a emetina ( e em maior proporção a cefelina) geravam uma excitação das zona que corresponde aos terminais reflexos do nervo vago, somado a uma ação direta sobre os quimioreceptores da área posterior do bulbo (Borison H. e Wang S., 1953) e ação irritativa sobre o trato intestinal (Allport R., 1959).





A respeito de sua ação sobre o trato respiratório, a mesma estimulação do nervo vago produz um aumento nas secreções bronquiais, favoracendo a fluidificação das mesmas. É
muito útil na tosse seca ou improdutiva, para o qual se prescrevem doses de 0,05-0,1 grama de droga (ou 0,5-2 mg de alcalóides totais) em forma de xarope via oral (Cañigueral Folcara S., 1993).

Toxicidade/Contra-indicações: A concentração de alcalóides é variável de espécie para espécie de planta e quanto ao local e período de coleta. Não superar as doses indicadas. A intoxicação se manifesta por cólicas intestinais, diarréia sanguinolenta e pode conduzir o indivíduo ao coma e morte por colapso cardiorespiratório. Em pequenas doses tem ação expectorante e portanto deve ser seguida a prescrição. Como antiparasitário, é mais recomendável o uso de especialidades a base de cloridrato de emetina.
É contra-indicado na gravidez, lactação, para crianças e idosos, cardiopatas e pessoas que tenham hipotensão arterial.
O pó de Ipecacuanha promove um efeito secundário, irritando fortemente a pele, com um efeito vesicante. Afeta também as mucosas respiratórias e digestivas. Doses elevadas provocam vômito, por estimulação principalmente dos centro bulbar. Os alcalóides são cardiotóxicos, promovendo arritmias; hipotensores e capilarotóxicos.

Dosagem e Modo de Usar:
• Infuso ou Decocto: 0,25%, de 20 a 200 ml, de 3 em 3 horas;
• Pó: de 0,10 a 0,50 gramas, de 3 em 3 horas;
• Cloridrato de Emetina: doses máximas: de uma vez e por dia, 0,10 gramas.


Referências Bibliográficas:

• FARMACOPÉIA BRASILEIRA. 4ª edição. 1996.

• COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. 1994.

• Britsh Pharmacopeia International Edition (1993).

• SCHAWENBERG, P.; PARIS, F. Guia de las Plantas Medicinales. Omega.
1980.

• SCHVARTSMAN, S. Plantas Venenosas. 1ª edição. 1979.

• PDR FOR HERBAL MEDICINES. 1ª edição. 1998.






• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Editora. Buenos
Aires 1998.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Um comentário:

Druida Galês disse...

Gostaria de saber se você produz ou sabe quem produz e comercializa a raiz da Ipeca.

Obrigado,
Kleiton Luiz
k_luiz@yahoo.com