Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

quarta-feira, 25 de março de 2009

Licopódio

O Licopódio é uma planta criptogâmica, isto é, não se reproduz por flores, mas sim por esporos, os quais surgem de uma espiga terminal. Quanto ao seu nome científico, a palavra Lycopodium é derivada das palavras gregas pus e lycos, as quais significam respectivamente “pé” e “lobo”, aludindo ao aspecto de seus ramos jovens e a palavra clavatum vem do latim significa “moca”, uma variedade de café árabe, devido à semelhança dos esporângios com esta.
Se um pouco do pó for lançado na chama, inflama-se e um clarão vivo é emitido, devido a uma reação que ocorre com o óleo essencial presente no Licopódio. É devido a isso que é utilizado na fabricação de peças de fogos de artifício com chamas coloridas.
A Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil 1ª Edição (1926) descreve os esporos do Licopódio da seguinte maneira: “Pó muito fino, móvel, de cor amarela pálida, quase inodoro e insípido; queima instantemente quando projetado em uma chama, explodindo e produzindo luz viva; flutua sobre a água, molhando-se somente pela ebulição, afundando-se então”.
É uma planta perene, caule ramoso, rastejante, radicante, com ramos ascendentes e espaçados. As folhas assoveladas, comprimidas, pequenas, irregularmente imbricadas, terminando por um comprido pêlo hialino. Ramos férteis, folhosos, eretos, terminando em 1 a 3 compridas espigas de brácteas triangulares que contêm os esporângios.

Nome Científico: Lycopodium clavatum L. Sinonímia: Lycopodium piliferum Wawra; Muscus squamosus Tourn.; Muscus terrestris clavatus Bauh.

Nome Popular: Licopódio, Pé de Lobo, Clavatum e Musgo Terrestre, em português; Bärlappsamen, Hexenmehl, Streupulver, na Alemanha; Jordmos e Ulvefoed, na Dinamarca; Azufre Vegetal, Licopodio, Musgo Garrote, Pata de Lobo, Pie de Lobo e Polvo de Palo, em espanhol; Griffe-de-Loup, Herbe aux Massues, Lycopode, Lycopode em Massue, Lycopode Officinal, Patte-de-Loup, Pied de Loup, Soufre Vegetal, na França; Common Club Moss, Club Moss, Satgs Horn, Witch Meal, Wolfs Claw, Vegetable Sulfur e Ground Pine, em inglês; Geknodst Wolfsklaauw, na Holanda.

Denominação Homeopática: LYCOPODIUM.

Família Botânica: Lycopodiaceae.

Parte Utilizada: Planta com esporo e esporos em pó.

Princípios Ativos: Óleo Essencial: glicerídeos dos ácidos licopodolêicos; Fitosteróis; Glicídios; Ácido Orgânico: cafêico; Resina; Esporonina (derivado celulósico); Alcalóides: licopodina, dihidrolicopodina, acetildihidrolicopodina, licodolina; Flavonóides: crisoeriol, luteolosídeo e apigenosídeo.

Indicações e Ações Farmacológicas: A planta inteira é indicada como diurético principalmente nas afecções genitourinárias (cistite, ureterite, uretrite, pielonefrite, oligúria e urolitíase); hiperuricemia; gota; hipertensão arterial; edemas; sobrepeso; retenção de líquidos; espasmos gastrintestinais. Os esporos são indicados nas assaduras, no intertrigo (assadura das crianças de peito, caracterizada por vermelhidão intensa e quente, às vezes com esfoladuras, que aparece sobretudo nas virilhas e entre as nádegas e nas axilas, provocando agitações e choro) e nas irritações cutâneas.
Na Homeopatia três principais características dominam os sintomas deste remédio: flatulência intestinal, areias avermelhada na urina e dores nos rins. É indicada na dispepsia ácida e muito flatulenta com bom apetite, mas pronta saciedade. É o remédio de pessoas de inteligência viva e penetrante e de fraco desenvolvimento muscular. Utilizado nas moléstias hepáticas, como a cirrose atrófica no fígado, com ascite e hidropsia; icterícia. Nos males que passam da direita para a esquerda: garganta, peito, ventre e ovários. No movimento incessante das asas do nariz: bronquite, broncopneumonia, pneumonia, asma, difteria, todas as moléstias do peito. Tem uma notável influência reguladora sobre as glândulas sebáceas. É bom remédio para o intertrigo das crianças.
A planta inteira adquire atividade antiespasmódica, diurética e laxativa e os esporos é um protetor da epiderme.

Toxicidade/Contra-indicações: O uso do Licopódio como diurético em pacientes hipertensos, cardiopatas ou com insuficiência renal moderada ou grave só pode ser feito sob prescrição médica, visto um possível efeito que potencia a ação proporcionada pelos cardiotônicos.
Em doses fitoterápicas a planta é contra-indicada na gravidez, lactação, para crianças e na insuficiência cardíaca ou renal; já os esporos não devem ser aplicados sobre as feridas abertas.

Dosagens e Modo de Usar:
• Esporos: Empregado em talcos;
• Homeopatia: 30.ª à 200.ª, 500.ª, 1000.ª e 10000.ª.

Referências Bibliográficas:
• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ªedição. 1998.

• ALBINO, R. Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 21ª edição. Livraria Teixeira. 1983.

• Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Reader’s Digest do Brasil. 1ª edição.
1999.

• PDR for Herbal Medicines. 1st editon. Medical Economics. 1998.

Nenhum comentário: