Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

quarta-feira, 25 de março de 2009

Lobélia

Planta anual que aparece espontaneamente nos prados e bosques abertos da zona oriental do continente norte americano, a Lobélia é uma das mais importantes ervas para a escola fisiomédica da medicina fitoterapêutica que floresceu na América do Norte no século XIX. Os índios norte-americanos fumavam a Lobélia para curar a asma e problemas respiratórios com ela relacionados.
É descrita na Farmacopéia Brasileira 3ª Edição (1977): “A droga, parcialmente quebrada é constituída pela haste alada, grosseira e irregularmente veludosa, verde-amarelada, ocasionalmente purpurina; folhas alternadas, sésseis ou curtamente pecioladas; estas medem 2 a 9 cm de comprimento, são ovais ou oblongas; o limbo é verde-pálido, pubescente, com as margens obtusamente denteadas ou irregularmente serreado-denticulada. Cada dente possui um ápice glandular, castanho-amarelado; flor azul pálida, em terminações alongadas, livres; cálices gamossépalo, ovóide, com 5 lacínias lineares, subuladas; corola tubular pentapartida com o lábio superior bífido; estames com anteras soldadas em cima num tubo que é atravessado pelo estilete e pelo estigma bífido. O fruto, sempre presente, é uma cápsula membranosa, ovóide ou elipsóide, de 5 a 8 mm de comprimento, castanho-clara; contém numerosas sementes pequenas, castanho-escuras, oblongas e grosseiramente reticuladas.”
A droga seca possui cheiro fraco, herbáceo, e seu sabor fortemente acre, lembrando o do fumo.

Nome Científico: Lobelia inflata L.

Nome Popular: Lobélia e Tabaco Indiano, no Brasil; Lobelia e Tabaco Indio, em língua espanhola; Lobelia Inflata, na Itália; Lobélie Enflée e Tabac Indien, na França; Lobeliakraut e Indischer Tabak, na Alemanha; Lobelia, Indian Tobacco, Pukeweed, Asthma Weed, Gagroot, Vomitwort, Bladderpod, Eyebright, Emetic Herb, Emetic Weed, Wild Tobacco e Vomitroot, em inglês.

Denominação Homeopática: LOBELIA INFLATA.

Família Botânica: Campanulaceae.

Parte Utlizada: Flores e sumidades floridas.

Princípios Ativos: A Lobélia contém componentes de escasso interesse, como gorduras, essência, taninos, etc. Os princípios ativos que despertam interesse na Lobélia são os Alcalóides derivados da piperidina e da metilpiperidina, onde o principal é a lobelina. Destaca-se também a lobelanina, a lobelanidina, a norlobelanina e a isolobinina.

Indicações e Ação Farmacológica: A Lobélia é indicada no tratamento da asma (principalmente em homeopatia), bronquite crônica, enfisema, insuficiência respiratória, (como medicamento de emergência) e como auxiliar no tratamento antitabagista.
Seus princípios ativos promovem uma ação simpatomimética e portanto aumenta a freqüência e a força de contração do coração, atuando como coronariodilatadora, diminuindo o peristaltismo e aumentando o tônus intestinal. Provoca a liberação do glicogênio hepático, inibe a secreção biliar, diminui a diurese, é um vasoconstritor, aumenta a pressão arterial. Ao produzir liberação de epinefrina, estimula o sistema nervoso central ao nível dos centros bulbares, produzindo desta forma uma broncodilatação. A isolobinina tem um efeito balsâmico, expectorante e antiasmático.

Toxicidade/Contra-indicações: È uma planta muito tóxica, onde 4 gramas da droga podem ser fatais. Os sintomas que são freqüentemente observados em uma intoxicação por Lobélia são: boca seca, náuseas, vômitos, diarréia, dores abdominais, irritação urinária, ansiedade seguida de estupor, tonturas, dor de cabeça, dificuldades respiratórias, bradicardia, arritmias cardíacas, sonolência, convulsões e morte por paralisia respiratória.

Dosagem e Modo de Usar:
• Tintura (1:10): 100-300 mg, uma a três vezes ao dia. Dose máximas: 3g/dia;
• Pó micronizado: 50 a 300 gramas, uma a três vezes ao dia. Dose máxima: 1,5g/dia.


Referências Bibliográficas:

• FARMACOPÉIA BRASILEIRA. 3ª edição. 1977.

• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª
edição. 1998.

• POULIN, M; ROBBINS, C. A Farmácia Natural. 1992.

• COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. 1994.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Nenhum comentário: