Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

quarta-feira, 25 de março de 2009

Lúpulo

Planta trepadeira, que mede de 5 a 7 metros de altura, perene e dióica, o Lúpulo apresenta um caule volúvel, sinistroso (enrolando da direita para a esquerda), anguloso e áspero. Suas folhas são verde-claras, opostas, pecioladas, estipuladas, recortadas em 3 a 5 lóbulos, ásperas, palmadas e de bordos serrados. Suas flores são verde-amareladas, dióicas, tendo as masculinas 5 pétalas, 5 estames, eretos em panícula na axila das folhas, e as femininas numerosas brácteas foliáceas, imbricadas, envolvendo cada uma dela 2 pistilos e formando cones pendentes cobertos por um pó amarelo-dourado e resinoso, a lupulina. Possui um cheiro intenso e aromático, além de um sabor amargo.
É originário das zonas setentrionais da Europa, Ásia e América, crescendo em bosques úmidos. Seu nome botânico Humulus provém da palavra anglo-saxônica humele, fazendo-se referência ao habitat úmido onde normalmente cresce e lupus, significa lobo, já que este animal se utiliza da planta para estrangular as ovelhas. A introdução do seu uso na Europa data do século XIII, passando a ser utilizado no fabrico da cerveja.

Nome Científico: Humulus lupulus L.

Nome Popular: Lúpulo, Vinha-do-norte, Engatadeira, Lúpulo-trepador, Pé-de-galo, em português; Lúpulo, Lupulino, Hombrecillo e Betigueira, em espanhol; Hops, em inglês; Luppolo, na Itália; Houblon, na França/ Hopfen, na Alemanha.

Família Botânica: Moraceae (Cannabaceae).

Denominação Homeopática: LUPULUS.

Parte Utilizada: Flor e a lupulina.

Princípios Ativos: Óleo Essencial: composto por Sesquiterpenos: -humuleno, farnesol, -cariofileno, por Monoterpenos: limoneno, -pineno e canabeno; por Ésteres Alifáticos: isobutirato de 2-metilpropila, isobutiratos de 2 e 3-metilbutilo, geranato de metila, decanoato de metila, hepta, octa e nonanoato de metila; por Ésteres Terpênicos: acetato, isobitirato e propionato de geranilo e por Éster Valeriânico de Borneol; Princípios Amargos Resinosos: lupunona, colupulona, humulona, cohumulona, adhumulona, prehumulona, post-humulona, adlupulona e xantlumol; Flavonóides: astragalina, quercetina, quercitrina, isoquercitrina, rutina, kempeferol-3-rutosídeo, leucocianidina e leucodelfinidina; Taninos; Potássio; Histamina; Princípios Estrogênicos; Ácidos Clorogênico e Ferúlico; Aminoácidos; Ácido Gama-linolêico.

Indicações e Ação Farmacológicas: É indicado por via interna na inapetência, nas dispepsias hiposecretoras, na coleocistite, nos espasmos gastrointestinais, na ansiedade, na insônia, na taquicardia, nas enxaquecas, nas nervralgias e nos transtornos associados com
o climatério. Topicamente é usado na acne, nas dermatomicoses e nas inflamações osteoarticulares.
As propriedades terapêuticas do Lúpulo são devidas ao óleo essencial, às oleoresinas amargas e aos flavonóides. Os princípios amargos conferem uma ação eupéptica e aperitiva, útil nos casos de anorexia e inapetência (Bezanger-Beauquesne L. e col., 1980). Já os flavonóides apresentam uma ligeira ação diurética em combinação com os sais de potássio (Leung A., 1980).
O óleo essencial exibiu propriedades sedantes(Caujolle F., et al., 1969; Bravo L., et al., 1974; Cartañá C., 1993), ligeiramente hipnótica e antiespamódica, sendo esta última ação proveniente de uma ação conjunta do óleo essencial com os flavonóides ( Hansel R. et al., 1982; Wohlfart R. et al., 1983). A combinação com extratos de Chicória (Cichorium intybus L.) e com Hortelã (Mentha piperita L.), o Lúpulo demonstrou diminuir a dor espasmódica nos pacientes afetados de colecistites crônicas , com ou sem litíases (Chakarski I. et al., 1982).
A combinação do óleo essencial, as flavononas eos princípios amargos (especialmente a lupulona e a humulona) demonstraram um poder bacteriostático e bactericida sobre bactérias Gram positivas e poder fungistático sobre o Trichophyton mentagrophytes e em menor proporção sobre a Candida, Fusarium e Mucor spp (Mizobuchi S., 1985).
Já se foi evidenciado que tanto a humulona como a lupulona evidenciaram possuir propriedades hipoglicemiantes. Administradas em doses de 200 mg/k na forma oral em ratos com diabetes induzida por streptozotina, diminuiram-se os níveis de glicemia em mais de 50% em seis horas (Handa S. e Chawla-Maninder A., 1989). Um produto que contém extrato de Lúpulo em combinação com Uva-ursi e Acetato de -tocoferol foi administrado em 915 pacientes afetados por uma irritação vesical e incontinência urinária, observando-se melhoras significativas em 772 pacientes (Lenau H. et al., 1984).
As substâncias do tipo estrogênicas encontradas no Lúpulo exercem uma atividade antiandrogênica ao nível supra-renal e testicular, nos casos de hiperexcitabilidade masculina e topicamente na acne juvenil (Fenselau C. et al, 1973). Também estes fitoestrógenos seriam úteis nos casos de insuficiência ovariana hipoestrogênica, sobretudo nos denominados “calores” da menopausa. O principal efeito estrogênico parece depender do xantotumol (Koch W. e Heim G., 1953).
Em ratas, a administração de extratos de Lúpulo provocou um aumento peso do ovário e maior produção de estrógenos. Observou-se também uma inibição na secreção de progesterona e uma diminuição da quantidade de óvulos liberados, uma vez que a atividade da enzima timidina quinase e do hormônio luteinizante foram virtualmente suprimidas (Okamoto R. e Kumai A., 1992).
A ação adstringente dos taninos e também dos flavonóides, promovem o fechamento dos poros e reduzem o excesso de oleosidade da pele e cabelos, conferindo efeito tônico e refrescante.

Toxicidade/Contra-indicações: O princípio amargo resinoso pode provocar náuseas e vômitos em doses altas. A manipulação desta planta pode causar alergias respiratórias (Newmark F., 1978). O mirceno contido no óleo fresco de Lúpulo tem sido considerado como um agente sensibilizante e o pólen como o causador de dermatites de contato
(Mitchell J., 1979). Altas doses administradas por via injetável em animais provoca efeitos soporíferos intensos seguidos de morte, enquanto a administração crônica provocou perda de peso seguida também pela morte do animal (Hamon N., 1985).
É contra-indicado o uso durante a gravidez, lactação, para pacientes com tumores hormono-dependentes ou que possuam hiperestrogenismo.

Dosagem e Modo de Usar:
• Uso Interno:
- Infusão: 30 g/l, infundindo por dez minutos. Tomar três xícaras ao dia;
- Maceração: 30 a 50 g/l durante 12 a 24 horas. Tomar três xícaras ao dia;
- Extrato Fluido (1:1): 20 a 40 gotas, três vezes ao dia;
- Tintura (1:10): 50-100 gotas, uma a três vezes ao dia;
- Extrato Seco (5:1): 0,3 a 1 grama/dia;
- Pó: 500 mg/cápsula, uma a três ao dia.

• Uso Externo:
- Infusão: 50 g/l, aplicado sob a forma de compressas, cataplasmas ou banhos.
- Cosméticos: Banhos relaxantes, tratamento capilar e da seborréia e para aumentar o volume dos cabelos: Géis de banho, sabonetes, shampoos, condicionadores, loções e cremes para pele e produtos para os pés: 1-2% de extrato glicólico.

Referências Bibliográficas:
• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Editora. Buenos
Aires 1998 ( o qual cita autores no item Indicações e Ação Farmacológica).

• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª
edição. 1998.

• Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Seleções do Reader’s Digest. 1ª
edição. 1983.

• COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. 1994.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

• TESKE, M.; TRENTINI, A. M. Herbarium Compêndio de Fitoterapia.
Herbarium. Curitiba. 1994.

2 comentários:

Bala disse...

Parabéns pelo artigo. Estava difícil encontrar algo científico sobre o assunto na web. Não sabia que existia conhecimento tão detalhado sobre os princípios ativos e suas propriedades.

Marcelo disse...

Beleza pelo artigo,agora que não paro mesmo de tomar uma boa cerveja rsssss.Viva o Lúpulo.