Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

segunda-feira, 30 de março de 2009

Melão de São Caetano

O Melão de São Caetano é uma planta monóica, herbácea, escandente, delicada, muito ramificada e com caule estriado. As folhas são membranáceas, suborbiculares, penta ou hepta lobadas, com lobos ovado-oblongos, estreitados nas base, denteados ou lobulados com lóbulos mucronados. Possui gavinha simples, delicada, longa e pubescente. A flore masculina é solitária, em pedúnculo do comprimento ou mais longo que a folha, provido na porção mediana ou mais abaixo de uma bráctea, sendo esta reniforme ou orbicular cordiforme, mucronada, inteira, com quatro a seis milímetros de comprimento e dois a três milímetros de largura. A flor feminina é longamente pedunculada, com pedúnculo bracteado e ovário fusiforme. O fruto é uma cápsula carnosa, amarelo quando maduro, medindo de três a quinze centímetros de comprimento, tuberculada e trivalvar. As sementes são vermelhas e comprimidas.
O Melão de São Caetano cresce nas savanas e matagais da África tropical e Ásia, sendo depois introduzida posteriormente na Europa e América.

Nome Científico: Momordica charantia L. Sinonímia: Cucumis africanus Lindl.; Cucumis intermedius M.Roem.; Mormodica anthelmintica Schum. et Thonn.; Momordica balsamita Descourt.; Momordica cylindrica Blanco; Momordica macropetala Mart.; Momordica muricata Willd.; Momordica operculata Vell.; Momordica papillosa Peckolt ex Rosenthal; Momordica roxburghiana G.Don; Momordica senegalensis Lam.; Momordica zeylanica Mill.

Nome Popular: Melão de São Caetano, Erva de Lavadeira, Erva de São Caetano, Fruta de Cobra e Fruta de Negro, em português; Balsamapfel, Beissgurke e Bittere Spring-Gurke, na Alemanha; Balsamina, Calbaza Africana, Limón Amargo, Mavillo e Mormódica, Melón Amargo, em espanhol; Assorossie, Margase, Sorci e Margou, na França; Africa Cucumber, Bitter Cucumber, Hairy Mordica, Balsam Pear e Bitter Melon, em inglês; Balsamini Lunghi e Caranza, na Itália.

Denominação Homeopática: MOMORDICA CHARANTIA.

Família Botânica: Cucurcitaceae.

Parte Utilizada: Folha e caule, e, em menor medida os frutos.

Princípios Ativos: Princípio Amargo: momorsopicrina (0,17%); Triterpenos: momordicinas I, II e III (0,008%); Ácido Orgânico: ácido momórdico; Ácidos Graxos; Cera Vegetal; Clorofila e várias Resinas.

Indicações e Ação Farmacológica: O principal estudo científico ao qual foi submetido o Melão de São Caetano, pode-se salientar que foi no campo da diabetes, obtendo-se uma grande quantidade de trabalhos in vivo e in vitro nos últimos 25 anos.
A fração etérea solúvel do concentrado alcoólico elaborado com folhas de Momordica charantia mostrou atividade hipoglicemiante comparável à tobutamida. Do mesmo modo, as sementes (1-3g diários) e o extrato etanólico (95%) da planta inteira (doses de 250 mg/kg) testados em coelhos com diabetes experimental induzida por estreptozotocina, obteve-se atividade comparada com a gibenclamida. Os extratos aquosos e etéreos não só demonstraram atividade hipoglicemiante, como também hipocolesterolemiante (Chandrasekar B., et al., 1989).

Toxicidade/Contra-indicações: Existem claras evidências de que o emprego das folhas e frutos podem acarretar em efeitos espermaticidas e inibição do crescimento fetal, de acordo com ensaios em animais. No primeiro caso, comprovou-se que o extrato etanólico a 95%, administrado em cães durante 20 dias, provoca uma diminuição da espermatogênese. Quando se administrou durante dois meses, observou-se uma atrofia testicular. No segundo caso, o extrato aquoso demonstrou ser abortivo em ratas em doses de 8 mg/kg por via intra-peritoneal. Porém, não se registrou nenhum caso de aborto durante a ingestão dos frutos por mulheres grávidas (Raman A. e Lau C., 1996).

Dosagem e Modo de Usar: No Amazonas brasileiro as folhas são utilizadas popularmente em infusão como emético, abortivo, antihelmíntico, antigripal, antireumático e antiespasmódico abdominal.
Com relação ao uso para o tratamento do diabetes, não foram enontradas referências bibliográficas nas literaturas consultadas.

Referências Bibliográficas:
• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Editora. Buenos
Aires 1998.

• CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Um comentário:

As You're Falling Down disse...

Onde eu posso achar as folhas do melão de são caetano em sp-capital?