Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

segunda-feira, 30 de março de 2009

Nó de Cachorro

Trata-se de uma planta perene, ereta, sublenhosa, pouco ramificada, caule densamente sedoso-pubescente e folioso até o ápice e medindo cerca de 40-100 centímetros de altura. As folhas são alternas, sem pecíolos, com a face superior quase glabra e densamente sedoso-pubescente. A droga é constituída por rizomas cilíndricos, tortuosos, de pontas arredondadas, com pequena estriação transversal, de superfície lisa e cor marrom-escura, das quais se destacam cicatrizes de raízes.
A espécie Heteropteris aphrodisiaca O. Mach., freqüentemente encontrada em regiões pantanosas e cerrado, é a mais conhecida das espécies pelo nome Nó de Cachorro e se constitui de espécie diferente da Vernonia cognata Less. Porém esta última é conhecida também pelo nome de Nó de Cachorro no local onde é encontrada.

Nome Científico: Vernonia cognata Less. Sinonímia: Vernonia propinqua Hieron.

Nome Popular: Nó de Cachorro e Assapeixe-roxo, no Brasil.

Família Botânica: Asteraceae (Compositae).

Parte Utilizada: Rizoma.

Princípios Ativos: A triagem fitoquímica realizada detectou a presença de: Alcalóides; Esteróides; Taninos: condendados e hidrolisáveis.

Indicações e Ações Farmacológicas: As indicações são pouco conhecidas para esta espécie e merece destaque especial para a avaliação farmacológica.

Toxicidade/Contra-indicações: Em estudo realizado, detectou-se a ocorrência de mortes de camundongos após 2 horas de administração intraperitoneal de doses de 1000 mg/kg desta espécie. Maiores estudos toxicológicos pelos pesquisadores devem ser postos em prática.

Dosagem e Modo de Usar: Não há referências nas literaturas consultadas.

Referências Bibliográficas:
• MARQUES, L.C.; GALVÃO, S.M.P.; PERES, P.G.; REBECCA, M.A.;
MELLO, J.C.P. Caracterização Farmacognóstica da Droga Vegetal Nó de
Cachorro (Vernonia cognata Less. – Asteraceae, Simpósio de Plantas
Medicinais do Brasil, 14º, Resumos, Florianópolis, UFSC, 1996.

Um comentário: