Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 10 de março de 2009

Casca d’Anta

A Casca d’ Anta é uma árvore que recebe este nome porque conforme a lenda, quando a Anta adoece, recorre a esta casca. A Pharmacopeia dos Estados Unidos 1ª edição (1926) cita a casca do caule como parte utilizada. A casca da Casca d’ Anta é caracterizada em fragmentos enrolados ou curvos, de comprimento variável. Às vezes a sua camada suberosa é conservada, apresentando cor acinzentada com pequenas manchas pardas e outras vezes são desprovidos do súber. Sua superfície externa é de cor pardo-ferruginosa escura. A superfície interna é parda, fortemente estriada e algumas vezes escavada no sentido longitudinal. A secção transversal apresenta súber cinzento, onde a presença não é constante; um parênquima cortical de cor pardo-ferruginosa com largas ilhotas esbranquiçadas e algumas finas pontoações pardas. O líber é bastante desenvolvido e de cor parda mais escura, finamente estriado e caracterizado pela presença de numerosas ilhotas esbranquiçadas e alongadas na direção radial, além de apresentar o contorno bastante irregular e ondeado. O sabor desta casca é ardente e acre e o cheiro aromático.

Nome Científico: Drimys winteri J.R.Forst. Sinonímia: Drimys aromatica Descourt.; Drimys brasiliensis Miers.; Drimys chilensis DC.; Drimys confertiflora Phil.; Drimys fernandeziana Steud.; Drimys granatensis L.f.; Drimys ledifolia Herb. ex Eichl.; Drimys magnoliaefolia Kunth ex Eichl.; Drimys mexicana Moç. et Sessé ex DC.; Drimys montana Miers; Drimys paniculata Steud.; Drimys punctata Lam.; Drimys retorta Miers; Wintera aromática Murr.; Wintera granadensis J.F.Gmel.; Wintera granatensis Murr.

Nome Popular: Casca d’ Anta, Casca de Winter, Caataia, Canela Amarga, Capororoca, Picante, Carne d’ Anta, Cataia, Melambo, Paratudo e Pau-Paratudo, em português; Árbol de Agi, Canela de Magallanes, Canelo, Canelo de Paramo, Chachaca, Chilillo, Muelo, Palo de Agi, Palo de Chile, Palo de Mambo, Palo Picante, Quebra Muelas e Quinón, em espanhol; Canelle de Magellan, na França; Winter’s Bark Tree, Pepper Bark, Winter’s Cinnamon, Wintera Aromatica e Wintera, em inglês.

Denominação Homeopática: DRYMIS WINTERI.

Família Botânica: Winteraceae (Magnoliaceae – antigo).

Parte Utilizada: Casca.

Princípios Ativos: Óleo Essencial: eugenol, cariofileno, 1,8-cineol e pinenos; Sesquiterpenos: drimenol, drimenina, confertifolina, poligodial, isodrimenina, winterina, valdiviolideo, fuegina, futranolídeo, criptomeridiol, 1-beta-p-cumaroiloxipoligodial (uma lactona sesquiterpênica trimérica).

Indicações e Ações Farmacológicas: No Brasil a Casca d’ Anta é indicada como diurético, estomáquico, antiespasmódico, nas dores de dente, antiescorbútico, tônico, na anemia, nas fraquezas, nas dispepsias, na flatulência, na disenteria e na gastrite. Em Homeopatia é indicada nas hemorragias uterinas.

Toxicidade/Contra-indicações: Não há referências nas literaturas consultadas.

Dosagem e Modo de Usar: A Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil 1ª edição (1926) cita como emprego oficinal o Extrato Fluido de Casca d’ Anta e a Tintura de Casca d’ Anta.
Coimbra (ver referências bibliográficas) cita as seguintes preparações:
• Infuso ou Decocto a 5%: de 50 a 250 cc por dia;
• Pó: de 2 a 12 gramas por dia;
• Extrato Fluido: de 2 a 12 cc por dia;
• Tintura: de 10 a 60 cc por dia.

Referências Bibliográficas:

• ALBINO, R. Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 21ª edição. Livraria Teixeira. 1983.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

• PDR for Herbal Medicines. 1st editon. Medical Economics. 1998.

Site na Internet:

www.rain-tree.com/cascadeanta.htm

Um comentário:

paulo disse...

A casca danta serve para sinusite?