Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

terça-feira, 10 de março de 2009

Centáurea Menor

A Centáurea Menor é uma planta herbácea anual ou bianual, originária do norte da Europa, sudeste da Ásia e aclimatada na América. É descrita da seguinte forma pela Pharmacopéia dos Estados Unidos do Brasil 1ª Edição (1926): “A centaurea menor é uma pequena planta herbácea bi-anual, de 20 a 50 cm de altura, de caule quadrangular, ramoso, dicotômico no vértice, glabro, trazendo na base uma roseta de folhas radicais, obovais, curtamente pecioladas, que atingem a 4 cm de comprimento. As folhas caulinares espaçadas de 2 a 3 cm, são inteiras, sésseis, glabras, opostas, oblongas ou lineares agudas, de 2 a 5 cm de comprimento, de limbo luzidio percorrido por 3 a 5 nervuras longitudinais. A inflorescência é um cimo composto umbeliforme, formado de flores curtamente pediculadas. O cálice tubuloso, gamosépalo, de 5 divisões agudas, um pouco desiguais, de 5 a 7 mm de comprimento, envolve a corola infundibuliforme, de bela cor rósea de tubo duas vezes mais comprido do que o cálice, com 5 lobos lanceolados, obtusos, de 10 a 15 mm de comprimento. Os estames, em número de 5, possuem anteras que se contornam em espiral após a antese. Ovário súpero, cilíndrico; estilete com estigma bilobado. As flores mais antigas contêm uma cápsula cilíndrica, linear, mais comprida do que o cálice, quase bilocular, com numerosas sementes muito pequenas de cor pardo-avermelhada.
Seu cheiro é agradável, porém fraco; seu sabor é muito fraco.”
O nome botânico desta planta faz referência ao centauro Quíron, famoso conhecedor das virtudes das plantas, que segundo a lenda havia curado com esta planta uma ferida feita por uma flecha envenenada.


Nome Científico: Erythraea centaurium (L.) Persoon. Sinonímia: Centaurium umbellatum Gilib.; Centaurium erythraea Rafn.

Nome Popular: Centáurea Menor, Quebra-febre e Fel-da-terra, no Brasil; Centaura Menor e Hiel de la Tierra, em espanhol; Petite Centaureé, na França; Centaury ou Minor Centaury, em inglês; Centaurea Minore, na Itália; Tausendgüldenkraut, na Alemanha.


Denominação Homeopática: CENTAURIUM UMBELLATUM.

Família Botânica: Gentianaceae.

Parte Utilizada: Caule, folha e flor.

Princípios Ativos: Compostos Polifenólicos: são ácidos fenólicos livres ou combinados derivados do ácido benzóico e cinêmico; Princípios Amargos: genciopicrina, centaurosídeo, swerosídeo, swertiamarina (secoiridóides), centapicrina, eritrocentaurina
(derivados de ésteres); traços de Alcalóides: gencianina, gencianidina e gencioflavina; Fitosteróis: -sitosterol, estigmasterol, campesterol e brasicasterol; Ácidos Graxos; Flavonóides; traços de Óleo Essencial; Resina.

Indicações e Ações Farmacológicas: Internamente indicada como sedante, antianêmico, antipirético e nas dismenorréias. Externamente é recomendada nos processos dolorosos reumáticos, golpes e blefaroconjuntivites. Popularmente é empregada como eupéptico, tônico-amargo, colerético, antidiabético e antigripal.
Os secoiridóides, em especial a genciopicrina, pelas suas características amargas exercem um efeito estimulante das secreções salivares, hepatobiliares e pancreáticas (Peris J. et al., 1995). O extrato aquoso demonstrou experimentalmente em ratos efeito antipirético e antiinflamatório, provavelmente atibuído aos ácidos fenólicos e aos princípios amargos respectivamente. O efeito antiinflamatório foi calculado em 19% em comparação aos 45% demonstrado pela indometacina. As provas para a atividade analgésica foram negativas (Berkan T. et al., 1991). A swertiamarina e a genciopicrina têm demonstrado possuir propriedades antibacterianas em cultivo in vitro. (Barrero A. et al., 1995). A genciopicrina foi mencionada como antimalárico (Rahway N., 1989). A swertiamarina apresenta um metabólito de ação sedante no SNC após a sua metabolização no intestino (Risco M., 1996).

Toxicidade/Contra-indicações: No geral, em doses terapêuticas, esta planta tem uma boa tolerância. Os princípios amargos alteram o sabor do leite materno. Como toda a droga que contém alcalóide, recomenda-se um tratamento discontínuo e evitar o consumo durante a gravidez. Pode ser irritante para a pele para pessoas sensíveis (Ivie A. e Witzel D., 1983).

Dosagem e Modo de Usar:
• Infusão (a 3%): Tomar 2 a 3 xícaras ao dia, preferencialmente antes das refeições;
• Extrato Fluido (1:1): 2-4 ml diários, em 2-3 doses meia hora antes das refeições;
• Pó: Em cápsulas: 1-3 gramas diárias, dividindo as doses entre as principais refeições.

Referências Bibliográficas:
• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Ediciones. Buenos
Aires. 1998 ( o qual cita as referências mostradas nos itens Indicações e Ações
Farmacológicas/ Toxicidade e Contra-indicações).

• SCHAWENBERG, P.; PARIS, F. Guia de las Plantas Medicinales. Omega.
1980.

• ALBINO, R. Pharmacopéia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.

• COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. 1994.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Um comentário:

katia disse...

Olá!
só faltou a foto da erva!