Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

sexta-feira, 13 de março de 2009

Chá de Java

Trata-se de um arbusto que mede até 1,20 metros de altura, caracterizado por apresentar um caule quadrangular liso, com a parte inferior de cor violeta escura e a superior verde-violácea. As folhas são pecioladas, romboidal-elípticas, com borda dentada e assimétrica na base, com nervura e pecíolo violáceos. As flores estão dispostas em espiga terminal com a corola bilabiada de cor branco-celeste e o enorme comprimento de seus estames azuis conferiu-lhe o nome popular de bigode de gato. O fruto é um tetraquênio de superfície rugosa.
É originário do sudeste asiático e norte da Austrália e posteriormente foi introduzido nas regiões tropicais da América do Sul. Esta planta vem sendo muito empregada pelos nativos do arquipélago malaio como anti-séptico urinário, depurativo, nos transtornos hepáticos e como diurético.

Nome Científico: Orthosiphon stamineus Benth.; Sinonímia: Orthosiphon aristatus (Blume) Miquel.; Trichostema spiralis Lour.

Nome Popular: Chá de Java e Bariflora, em português; Ortosifón, Té de Java, em espanhol; Barbiflore, Thé de Java, na França; Java Tea, em inglês.

Denominação Homeopática: ORTHOSIPHON STAMINEUS.

Família Botânica: Labiatae.

Parte Utilizada: Folha.

Princípios Ativos: Óleo Essencial (0,02-0,06%): formado principalmente por sesquiterpenos, entre eles temos o -elemeno, -selineno, -cariofileno, etc.; Flavonóides: cirsimaritina, eupatropina, salvigenina, sinensetina, etc.; abundante em Sais de Potássio (2,5-3%); Sais de magnésio; Ácidos Orgânicos: rosmarínico, ursólico, cafêico, glicólico e benzóico; -sitosterol; -amirina; Inositol; Betaína; Colina; Diterpenos; Metilripariocromeno A; Ortosifonina (glicosídeo amargo); Saponinas Triterpênicas: sapofonina; Taninos (5-10%).

Indicações e Ações Farmacológicas: Indicado nas afecções urinárias crônicas: urolitíase, hiperuricemia, cistite, prostatite, uretrite, adenoma benigno da próstata e edemas por insuficiência venosa; nas afecções hepáticas: disquinesias biliares e nas coleocistites; como coadjuvante no tratamento da obesidade; nas afecções cardíacas: hipertensão; nas hiperlipidemias e no reumatismo.
O Chá de Java é amplamente utilizado como diurético e anti-séptico urinário. A atividade diurética estaria embasada pelo efeito sinérgico das altas quantidades de potássio, dos flavonóides e do óleo essencial presentes, gerando uma atividade do tipo azotúrica, uricosúrica, comparável à Furosemida (Loew D. et al., 1991; Englert J. et al., 1992). O emprego prolongado das folhas do Chá de Java produz uma alcalinização da urina que favorece a eliminação de pequenos cálculos urinários (Nirdnoy M. e Muangman V., 1991).
Tem-se comprovado por meio de provas em animais, uma atividade hipocolesterolemiante e colagoga suave (Peris J. et al., 1995). Em Cuba se realizou distintos ensaios em mais de 200 pacientes portadores de infecções urinárias, produzindo em 2 semanas de ingestão da infusão a negatividade da presença de Escherichia coli, Klebsiella, Proteus e Pseudomonas (Simon E. et al., 1988; Barroso E. et al., 1988). Um estudo realizado em Taiwan demonstrou que o extrato aquoso desta planta possui atividade antibacteriana frente ao Streptococcus mutans (Chen Ch. et al., 1989).
O extrato aquoso do Chá de Java, em doses de 1 g/kg tem exibido atividade hipoglicemiante em ratos normais e com diabetes induzida por uma injeção intravenosa de estreptozotocina em doses de 65 mg/kg (Mariam A. et al., 1996).

Toxicidade/Contra-indicações: Não se tem demonstrado efeitos indesejáveis nas doses usuais. Os taninos e os princípios amargos presentes no Chá de Java induzem a um aumento da secreção cloropéptica. Para eliminar este problema, recomenda-se a manipulação em forma de cápsulas ou comprimidos entéricos. A infusão apresemta um intenso sabor amargo que pode produzir náuseas e vômitos.
É contra-indicado no caso de insuficiência renal ou cardíaca ou quando se suspeite da existência de obstrução das vias biliares, só deve ser utilizado sob prescrição médica.

Dosagem e Modo de Usar:
• Infusão: 10 a 15 g/l. Infundir durante 10 minutos. Tomar um litro por dia;
• Extrato Fluido (1:1): 30-60 gotas, um a três vezes ao dia, meia hora antes das refeições (recomenda-se não ultrapassar de 5g/dia = 200 gotas);
• Tintura (1:5): 50-100 gotas, uma a três vezes ao dia;
• Extrato Seco (5:1): 0,3 a 1 g/dia.

Referências Bibliográficas:
• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Ediciones. Buenos
Aires. 1998 ( o qual cita as referências mostradas nos itens Indicações e Ações
Farmacológicas/ Toxicidade e Contra-indicações).

• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª
edição. 1998.

• Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Reader’s Digest do Brasil. 1ª edição.
1999.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Nenhum comentário: