Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

segunda-feira, 30 de março de 2009

Óleo de Andiroba

A Andiroba é comum nas várzeas da Amazônia. Velha conhecida dos indígenas, dos caboclos e dos madeireiros, começa a ganhar fama internacional pela comprovação científica de algo que os nativos sabem há muitas gerações: o bagaço da castanha, quando queimado, solta uma fumaça que tem o poder de repelir mosquitos. Alguns produtos sob a forma de vela estão sendo comercializados como um repelente natural.
Desde a época do Descobrimento do Brasil, o óleo de andiroba era empregado pelos índios Mundurukús como ingrediente na mumificação das cabeças dos inimigos, que serviam de troféus de guerra. Hoje, o óleo é medicamento usado para muitos males, principalmente como linimento contra pancadas e antiinflamatório, contra dores de garganta.
É uma árvore grande, que mede até 30 metros de altura, apresentando uma casca cinzenta e grossa. As folhas são imparipinadas ou abrupto-pinadas, grandes, de até 1 metro de comprimento ou mais, composta de numerosos folíolos subopostos, elíptico-oblongos, inteiros, acuminados e glabros. As flores são pequenas, amarelas, vermelhas e axilares. O fruto é uma cápsula ovóide semi-globosa, lenhosa, pardacenta, 4-vulvar, contendo número variável de sementes vermelhas, coriáceas e quase lenhosas, convexas, angulosas ou irregularmente tetraédricas, achaatadas lateralmente.
As sementes privadas das cascas produzem 70% de óleo amargo e concreto, amarelo-escuro e muito espesso.

Nome Científico: Carapa guianensis Aubl. Sinonímia: Carapa latifolia Willd.; Xylocarpus carapa Spreng.; Carapa macrocarpa Ducke.

Nome Popular: Andiroba, Andiroba-saruba, Iandirova, Iandiroba, Carapá, Carapa e Nandiroba, no Brasil; Cachipou e Noix de Crab, na Guiana Francesa; Carapa Tree, em inglês; Carapo, na ilha de Trindade.

Família Botânica: Meliaceae.

Parte Utilizada: Óleo extraído das sementes.

Princípios Ativos: Alcalóide: carapina (andirobina); Ácidos Esteárico, Olêico, Palmítico, Linolêico, Mirístico ; Taninos; Apoxiazadiradiona; Matérias Gordurosas.

Indicações e Ação Farmacológica: O óleo das sementes, que contêm o alcalóide carapina e matérias gordurosas, é utilizado na medicina popular, em compressas e fricções, na região Norte do Brasil, como antiinflamatório, antibacteriano, cicatrizante e repelente de insetos. Tem um excelente efeito sobre inchações e traumas. Segundo M. Pio do óleo de Andiroba pode-se fazer sabão para moléstias da pele.
Pode-se ser feitos cremes emolientes e hidratantes deste óleo.

Toxicidade/Contra-indicações: Não há referências nas literaturas consultadas.

Dosagem e Modo de Usar: A medicina popular emprega 50% Óleo de Andiroba com 50% de Óleo de Copaíba no tratamento da herpes, deixando o líquido em contato com a ferida durante trinta minutos e aplicando duas vezes ao dia.
Cosméticos:
Utiliza-se o óleo em shampoos, condicionadores, cremes, loções e géis: 2 a 5%.

Referências Bibliográficas:
• Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Seleções do Reader’s Digest. 1ª
edição. 1983.

• VIEIRA, L. S. Fitoterapia da Amazônia. 2ª Edição. São Paulo. Editora
Agronômica Ceres. 1992.

• LORENZI, H. Árvores Brasileiras. vol. 1. 2ª edição. 1998. Instituto Plantarum.

• CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984. TESKE,
M.; TRENTINI, A. M. Herbarium Compêndio de Fitoterapia.
Herbarium. Curitiba. 1994.

• Revista Globo Rural. Novembro de 1999.

Um comentário:

marco antonio badaro athayde disse...

Existe um mix da andiroba com aloe vera, e outro componente , com o nome de Glucaderm, pesquisa da UNiv . de Campina Grande , que ´e indicado para o alivio das agressões da Psiorise.
Mestry Badahra