Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

sexta-feira, 6 de março de 2009

Calotropis

Esta planta caracteriza-se por ser um arbusto sempre verde, de até 10 metros de altura, geralmente menos, raras vezes árvore pequena atingindo 30-35 centímetros de circunferência. A casca é branco-amarelada e fendida. Os ramos são vigorosos, cilíndricos, mais ou menos revestidos de pubescência cotonosa, sobretudo enquanto jovens. As folhas são sésseis, elíptico-oblongas ou obovado-oblongas, agudas ou acuminadas, estreito-cordiformes na base, às vezes amplexicaules, até 22 centímetros de comprimento e 11 centímetros de largura, coriáceas, verde-glauco, mais ou menos pubescente-cotonosas nas duas páginas. As flores são avermelhadas ou róseas ou violáceo-claras ou lilacinas, raramente brancas, inodoras, dispostas em cimeiras laterais umbeliformes.
Este vegetal está muito relacionado com outra espécie, Calotropis procera [Dryand] Aiton, pois ambas possuem aplicações medicinais e industriais. De suas sementes obtém-se filamentos, os quais tem grande analogia com as fibras do Cânhamo e do Linho, prestando-se para fiar, misturadas às do Algodão e realmente servem para muitos lugares para a fabricação de tecidos: são uma verdadeira paina, muito branca e muito sedosa, com bastante emprego no enchimento de almofadas e travesseiros, mas há quem atribua ao pó que deles se desprende a qualidade de atacar os pulmões. Também o líber dá fibras valiosas, finas e fortes, cujo aproveitamento está para cordoalha, linhas de pesca e redes não é mais extenso devido à irregularidade do comprimento, à dificuldade de extraí-las e ao limitado rendimento.

Nome Científico: Calotropis gigantea [Dryand] Aiton. Sinonímia: Asclepias gigantea Willd.

Nome Popular: Calotropis, Bombardeira, Ciúme, Flor de Seda e Madar, em português; Mudarwurzelrinde, na Alemanha; Madar e Mudar, em espanhol; Mudar, na França; Madar, Madar Bark, MirdarMudar e Yercum, em inglês.

Denominação Homeopática: CALOTROPIS.
Observação: Em Homeopatia alguns autores também utilizam a espécie Calotropis procera [Dryand.] Aiton para obter este medicamento.

Família Botânica: Asclepiadaceae.

Parte Utilizada: Raiz.

Princípios Ativos: Segundo M. Pio Corrêa a raiz do Calotropis contém: Alcalóide: mudarina; Goma; Amido; Albumina; Óleo Graxo; etc.
O PDR for Herbal Medicines 1ª edição (1998) relata que a espécie Calotropis procera, muito próxima à Calotropis gigantea, contém um esteróide cardioativo (cardenolídeo), denominado calotropina.

Indicações e Ações Farmacológicas: O principal uso do Calotropis está relacionado com a Homeopatia, sendo usado com muito sucesso no tratamento da sífilis, sobretudo secundária, depois de Mercurius; mas age também na anemia primária desta moléstia. Calor no estômago é a sua principal característica. A medicina homeopática também utiliza para a obesidade, elefantíase, lepra, lupus, disenteria aguda e pneumonia tuberculosa.
M. Pio Corrêa relata as indicações e ação farmacológica do Calotropis assim: “ A casca da raiz (<< casca de Múdar>>, nas farmácias), é tônica e estimulante, encerra o alcalóide <> e bem como assim goma, amido, óleo graxo, ‘caoutchou mucoso’, etc.; tem desde longos anos a mais larga aplicação na terapêutica indiana, como diaforética e emética, devendo-se a esta dupla qualidade, aliás extensiva do látex, a ação útil de uma e de outro em numerosas enfermidades (paralisia, epilepsia, herpes e várias afecções cutâneas, febres intermitente e héctica, mordedura de cobras, vermes intestinais inclusive os vermes da Guiné (Vena medensis) e a solitária (Taenia solium), diarréia, disenteria, afecções sifilíticas, lepra, elefantíase, etc.”
O PDR for Herbal Medicines 1ª edição (1998) relata que a calotropina demonstrou um efeito antitumoral in vitro em células de carcinoma epidermóide rinofaríngeo. Também as propriedades expectorante e diurética são relatadas.
Na obra citada anteriormente é indicado o uso do pó da casca da raiz contra disenteria, apresentando efeito similar ao da raiz da Ipeca. Na medicina africana e hindú, a casca é usada no tratamento da epilepsia, histeria, câncer, cãibras, verrugas, lepra, elefantíase, vermes, febre, gôta e picadas de insetos.

Toxicidade/Contra-indicações: O PDR for Herbal Medicines 1ª edição (1998) relata que doses altas de Calotropis causam vômitos, diarréia, bradicardia e convulsões. Doses muito altas podem levar à morte.

Dosagem e Modo de Usar:

• Homeopatia: T.M. 1 a 5 gotas, três vezes ao dia.
• O PDR for Herbal Medicines 1ª edição (1998) cita as seguintes doses para o Calotropis:
 Como expectorante e diaforético: 200 mg a 400 mg;
 Como emético: 2 g a 4 g.

Referências Bibliográficas:
• CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 1983.

• PDR FOR HERBAL MEDICINES. 1ª edição. 1998.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Nenhum comentário: