Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

sexta-feira, 6 de março de 2009

Canela

Junto com a Mirra e o Incenso, a Canela foi uma das espécies aromáticas mais importantes da Antigüidade, sendo mencionada no Antigo Testamento. Os nativos do sudeste asiático e os antigos fitoterapeutas chineses recomendavam a Canela para o tratamento de desordens digestivas e menstruais. Sua importância comercial começou quando os portugueses invadiram o Ceilão em 1536.
A Farmacopéia Brasileira 3ª Edição (1977) descreve a Canela da seguinte forma: “Esta casca apresenta-se no comércio em tubos ou canudos enrolados para dentro nas duas margens, embutidos uns dentro dos outros, de comprimento variável, podendo atingir até 1 m de comprimento e, em geral, de 1 até 3 cm de diâmetro. É privada de suas camadas externas pela raspagem, medindo cerca de 1,5 mm a 0,8 mm de espessura. Sua superfície externa é de cor pardo-amarelada, fosca, e apresenta um certo número de cicatrizes arredondadas que correspondem aos pontos de inserção das folhas e dos brotos axilares, assim como longas estrias esbranquiçadas, sinuosas, dispostas longitudinalmente. Sua superfície interna é lisa e de cor pardo-escura. Sua fratura é curta, esquirolosa e apresenta um certo número de fibras esbranquiçadas e salientes. A droga tem odor característico, aromático; seu sabor é um pouco adocicado, quente, muito aromático e agradável.”

Nome Científico: Cinnamomum zeylanicum Nees. Sinonímia: Canella zeilanica Bauh.; Cinnamomum aromaticum J.Grah.; Cinnamomum iners Wight; Cinnamomum verum J.Presl.; Laurus cassia Burm.f.; Laurus cassia L.; Laurus cinnamifera Stokes; Laurus cinnamomea Salisb.; Laurus cinnamomum L.; Laurus culitlaban Buch.-Ham. ex Nees; Laurus montana Link ex Meisner; Laurus rigida Wall.; Persea cinnamomum Spreng.

Nome Popular: Cenela, Canela do Ceilão, Canela da Índia, Canela de Cheiro, Canela da Rainha, Canela Fina, Caneleira do Ceilão, Caneleira da Índia, Caneleira Verdadeira e pau Canela, em português; Zimmt e Zimmtebaum, na Alemanha; Canela, Canelo, Canelero de Ceilán, Canela de Ceilán, Cinamomo, Laurel e Canelero, em espanhol; Canelle, Canellier e Canellier de Ceylan, na França; Kaneelboom, na Holanda; Cinnamon, Cinnamon Bark e Cinnamon-Tree, em inglês; Albero Della Cannella, Cannella, Canella, Cenamo e Lauro Aromatico, na Itália; Cynamon, na Polônia.

Denominação Homeopática: CINNAMOMUM.

Família Botânica: Lauraceae.

Parte Utilizada: Casca.

Princípios Ativos: Óleo Essencial (0,5-5%): principalmente composto por aldeídos aromáticos, destacando-se: aldeído cinâmico, hidroxi-cinamaldeído, benzaldeído e cuminaldeído e componentes minoritários: -cariofileno, -ilangeno, cineilanol, cineilanina, álcool cinâmico, álcool benzílico, álcool-2-feniletílico, benzoato de benzila, benzoato de 2-feniletila, cinamato de metila, eugenol, isoeugenol, fenol e 2-vinil-fenol; Mucilagens; Resinas; Taninos; Manitol.

Indicações e Ações Farmacológicas: A Canela é indicada na inapetência, nas dispepsias hiposecretoras, nos espasmos gastrintestinais, nas colites, nas gastrites, nas bronquites, nos enfisemas, na asma, na amenorréia e na dismenorréia. Topicamente é aplicada nas parodontopatias, nas dermatomicoses, nas otites e vulvovaginites. Em Homeopatia é usado como remédio para hemorragias, dentre outras aplicações.
Em Perfumaria os perfumes adotam notas temperadas.
Relacionadas fundamentalmente com a atividade do óleo essencial, o qual exibe as seguintes propriedades: antiespasmódica, antiinflamatória, antipirética, carminativa, bactericida, anti-séptica, larvicida, miorelaxante, sedante, antihipertensiva e inseticida (Peris J. et al., 1995).
A atividade antiespasmódica e antiinflamatória estão relacionadas com o efeito miorelaxante sobre o músculo liso da traquéia e íleo isolados de cobaias (Plant O. e Miller G., 1926; Reiter M. e Brandt W., 1985). Ao nível digestivo, o óleo essencial da Cenla tem demonstrado propriedades carminativas e eupépticas, através da estimulação de enzimas digestivas, especialmente a da tripsina (Yamasaki K. et al., 1986; Castleman M., 1996).
O óleo essencial de Canela in vitro tem demonstrado ser ativo frente a Pseudomonas aeruginosa, Salmonella typhi e paratyphi, Escherichia coli, Mycobacterium tuberculosis, Candida albicans e Aspergillus spp. (Jansen A. et al., 1986; Raharivelomanana P. et al., 1989).
O aldeído cinâmico apresenta ações sedativas ao nível do SNC e antitrombolíticas (matsuda H. et al., 1987).
Também se tem reportado que o óleo essencial apresenta propriedades antihipertensivas, ao inibir a enzima convertase, a qual converte a angiotensina (Inokuchi J. et al., 1984).

Toxicidade/Contra-indicações: O óleo essencial tem demonstrado ser irritante para a pele e mucosas. O aldeído cinâmico é capaz de originar dermatite de contato, ao passo que o eugenol pode provocar danos à mucosa gástrica.
É contra-indicado o uso durante a gravidez, lactação, para crianças menores de seis anos, ou pessoas com hipersensibilidade a óleo essencial, distúrbios gastrintestinais ou neurológicos.

Dosagem e Modo de Usar:
• Uso Interno:
- Pó Micronizado: 250-500 mg/cápsula, uma a três vezes ao dia;
- Xarope (10% de Tintura): Uma a três colheres sopa ao dia;
- Tintura (1-5%): 50-100 gotas, uma a três vezes ao dia;
- Extrato Fluido (1:1): 30-50 gotas, uma a três vezes ao dia;
- Infusão: 1 a 3 gramas por xícara. Ferver pór 2 minutos e infundir durante 10. Tomar três xícaras por dia, antes das refeições.
- Homeopatia: T.M. à 3.ª.

• Uso Tópico:
- Tintura (1:10): Aplicar localmente;
- Infusão: 5 gramas por xícara. Infundir durante 10 minutos e aplicar sob a forma de compressas, colutórios, irrigações ou instilações.

Referências Bibliográficas:
• ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. 1ª edição. Isis Ediciones. Buenos
Aires. 1998 ( o qual cita as referências mostradas nos itens Indicações e Ações
Farmacológicas/ Toxicidade e Contra-indicações).

• PR VADEMECUM DE PRECRIPCIÓN DE PLANTAS MEDICINALES. 3ª
edição. 1998.

• FARMACOPÉIA BRASILEIRA. 3ª edição. 1977.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 1983.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

Nenhum comentário: