Pesquisa personalizada

Olá Amigos e Amigas, Bem vindo!!!

A idéia deste Blog é com o intuito de fornecer informações sobre Ervas e Insumos em geral.

Através de um estudo arduo e minuncioso, conseguimos trazer para vocês informações sobre cada Erva para auxilio de estudo e orientação quanto ao uso.

Vale salientar que todas as Ervas publicadas neste Blog são de fontes verdadeiras. Essas são encontradas sempre ao final de cada texto.

Espero que este Blog seja útil para todos vocês e se possível divulguem para que possamos trocar idéias a respeito dessas maravilhas que a Natureza nos oferece de graça.

Voltem sempre, pois estaremos semanalmente atualizando este Blog com outras Ervas.

Para encontrar a sua erva preferida, clique nas datas ao lado e boa leitura!!!

Abraços,

sexta-feira, 6 de março de 2009

Cantárida

A elevada toxicidade da Cantárida fez com que o marquês de Sade fosse condenado por assassinato, pois tendo-se convencido do poder afrodisíaco deste inseto, tinha-o dado a tomar a algumas mulheres.
A Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil 1ª edição (1926) o caracterizou, com o nome de Cantharide, da seguinte maneira:
“ Inseto de cor verde-azulada metálica, com reflexos pardo-avermelhados, de corpo alongado, cilindróide, de 15 a 30 mm de comprimento e de 5 a 8 mm de largura, glabro na face dorsal, veludoso na ventral, sobretudo no tórax. Sua cabeça, separada do tórax por uma parte estreita em forma de pescoço, é forte, cordiforme, mais larga atrás do que na frente e apresenta um profundo sulco longitudinal perto de sua parte médio-posterior; nos lados e a uma distância igual de sua base e do seu vértice acham-se os olhos, que estão situados atrás da inserção das antenas. Estas antenas são filiformes, compostas de onze artículos inferiores são da cor do inseto; os outros oito são de cor preta fosca ou preto-arroxeada. O aparelho bucal é semelhante ao dos outros coleópteros. O tórax, distinto do abdome, é pequeno, quase quadrado, mais largo adiante do que atrás e apresenta na parte dorsal um sulco longitudinal em prolongamento com o da cabeça. O abdome é alongado, quase cilíndrico, mais largo adiante do que na parte posterior do tórax e recoberto completamente pelos elitros, que são fortes, flexíveis, finamente ornados de filetes entrelaçados e apresentam perto de sua margem interna duas nervuras longitudinais; as asas inferiores são membranosas, transparentes, pardacentas e dobradas transversalmente quando em repouso, alonjando-se debaixo dos elitros. As patas são da mesma cor que o inseto; os tarsos, terminados por um colchete bífido, apresentam cinco artículos nos dos primeiros pares de patas, enquanto que só têm quatro no terceiro par. No macho, o abdome é menos volumoso do que na fêmea e nesta o último arco do ventre é levemente entalhado em suas partes laterais, enquanto que o é profundamente no macho. As antenas são em geral mais compridas e mais delgadas nas fêmeas; estas possuem, nos pontos de junção dos tarsos com as pernas, dois pequenos colchetes móveis, enquanto que nos machos há um só colchete nas patas anteriores; além disso, o primeiro artículo do tarso é profundamente chanfrado, de tal modo que, quando este pequeno colchete se aplica sobre esse primeiro artículo, essa chanfradura transforma-se em um anel: essa disposição é utilizada no ato da cópula das cantharides.
A cantharide possui cheiro forte, característico e viroso.
Os insetos roídos ou muito estragados, bem como os que possuem cheiro amoniacal, não devem ser empregados.”

Nome Científico: Cantharis vesicatoria L. Sinonímia: Lytta vesicatoria Fabr.; Meloe vesicatoria; Muscae hipanicae.

Nome Popular: Cantárida e Mosca da Espanha, em português; Kanthariden e Spanichen Fliegen, na Alemanha; Cantárida, Cantárida de las Boticas, Cantárida Oficinal e Mosca Española, em espanhol; Cantharide, Cantharide de Milan, Mouche Espagnole e Mouche Vésicant, na França; Spanish Fly, em inglês; Canterella, na Itália.

Denominação Homeopática: CANTHARIS.

Ordem e Família: Coleoptera-Cantharideae.

Parte Utilizada: Inseto.

Princípio Ativo: Cantaridina.

Indicações e Ações Farmacológicas: É na Homeopatia que a Cantárida tem sua grande importância. É indicado para indivíduos que sentem medo e inquietação com gemidos; frenesi amoroso; furioso desejo sexual, quase maníaco; excitação amorosa; ninfomania; cistite; eczemas; queimaduras; perturbações no fígado, intestino e estômago. É um grande remédio dos cálculos renais.
A medicina chinesa aplica a Cantárida na pele para melhorar a circulação, como por exemplo para irritações locais e contra infecções.

Toxicidade/Contra-indicações: A dose letal para os humanos é de 0,03 g.

Dosagem e Modo de Usar:
• Homeopatia:
Uso Interno: 3.ªx à 30.ªx, 60.ªx, 100.ªx e 200.ª.
Uso Externo: Queimaduras (1 para 40 de água ou vaselina), eczemas, queda de cabelos e úlceras das pernas (óleo cantarizado a 1:10).

Referências Bibliográficas:
• ALBINO, R. Pharmacopeia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.

• SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos. 1ª edição. Santos
Livraria Editora. 2000.

• CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 21ª edição. Livraria Teixeira. 1983.

• POULIN, M; ROBBINS, C. A Farmácia Natural - Guia de Medicamentos Naturais.
1ª edição. Livraria Civilização Editora. 1993

Nenhum comentário: